Economia

Petrobras Bolivia tem contas bloqueadas em disputa sobre área de campo de gás, dizem fontes

Reuters
Reuters
Petrobras Bolivia tem contas bloqueadas em disputa sobre área de campo de gás, dizem fontes
Instalações da Petrobras em Santa Cruz, Bolívia

26 de maio de 2021 - 19:26 - Atualizado em 26 de maio de 2021 - 19:27

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Petrobras Bolivia S.A., unidade da petroleira brasileira no país sul-americano, teve suas contas bloqueadas pela Justiça boliviana em meio a um embate com uma família a respeito da propriedade de parte da área onde está situado um dos seus principais campos de gás naquele país, segundo duas fontes próximas ao tema.

O bloqueio partiu de uma decisão judicial em primeira instância, no mês passado, que definiu que a estatal e suas sócias na área deveriam pagar 61,14 milhões de dólares à família de Maria del Rosario Vacaflor Lahore, que reivindica a propriedade de parte da área onde está o campo de San Alberto, conforme documentos judiciais vistos pela Reuters.

A Petrobras, operadora do campo, recorreu da decisão e o processo corre agora em segunda instância no Tribunal Agroambiental de Sucre, de onde deverá sair a sentença final, segundo as fontes, que falaram na condição de anonimato.

Além das implicações internacionais do caso, as pessoas com conhecimento do processo disseram que o valor definido pela Justiça é muito superior ao normalmente acordado com proprietários de terras, o que poderia ter implicações em todo o setor no caso de a Petrobras ser obrigada a pagar aqueles montantes.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente. A Reuters telefonou para a família Vacaflor Lahore e para seus advogados, mas não obteve respostas. Não foi possível falar com o tribunal para um comentário.

San Alberto juntamente com San Antonio são os dois principais campos produtores de gás da Petrobras na Bolívia e que enviam ao Brasil parte importante de sua produção.

O processo ocorre em um momento em que a petroleira brasileira reduziu sua demanda por gás boliviano, devido ao crescimento da produção no Brasil, ao mesmo tempo em que vem abrindo espaço para outros investidores importarem o insumo ao país.

Além disso, acontece enquanto a Petrobras busca um comprador para sua participação na Transportadora Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), que possui e opera o trecho brasileiro do gasoduto Gasbol, que traz o insumo.

Uma das fontes pontuou que a Petrobras obteve o direito de explorar o bloco em 1996 e que a família reivindicou na Justiça os direitos sobre o terreno em 2018, apresentando um título de propriedade de posse de 1971. Antes, para dar entrada no processo, a família obteve na Justiça a dissolução de uma venda do terreno realizada em 1973 por ela a uma madeireira, com efeitos retroativos.

O campo de San Alberto produziu em 2020, em média, 2,69 milhões de metros cúbicos por dia de gás. Ele é operado pela Petrobras, com 35% de participação, que tem como sócias a YPBF Andina –uma joint venture entre a boliviana YPFB e a espanhola Repsol (50%)– e a francesa Total (15%).

(Por Marta Nogueira; com reportagem adicional de Adam Jourdan)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4P1M5-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.