Economia

Pesquisa mostra que Curitiba é a capital com o maior aumento na cesta básica no ano

Entre abril e maio, o custo médio da cesta básica aumentou em 14 das 17 cidades pesquisadas 

Pablo
Pablo Mendes com informações do DIEESE, com supervisão de Guilherme Becker
Pesquisa mostra que Curitiba é a capital com o maior aumento na cesta básica no ano
(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

9 de junho de 2021 - 08:50 - Atualizado em 9 de junho de 2021 - 08:50

Um levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), entre abril e maio de 2021 em 17 capitais brasileiras, revelou que o custo médio da cesta básica de alimentos aumentou em 14 delas e diminuiu em outras duas.

A pesquisa realizada entre as capitais mostra que os maiores aumentos quando falamos de variação mensal dos preços foram registrados em Natal-RN (4,91%) e Curitiba-PR (4,33%); já do outro lado, as cidades onde o valor da cesta apresentou queda foram Campo Grande-MS (-1,92%) e Aracaju-SE (-0,26%).

A conta fica mais feia para Curitiba quando saímos da variação mensal da cesta e comparamos os maiores aumentos anuais entre as capitais, Curitiba registrou o maior aumento dentre todas (12,68 %), em seguida Natal-RN com (9,35%).

Mesmo registrando o maior aumento, Curitiba não é capital com a cesta básica mais cara. Porto Alegre -RS lidera o ranking do maior valor por uma cesta de alimentos básicos com R$ 636,96, seguida por São Paulo -SP com R$ 636,40, Florianópolis-SC com R$ 636,37, Rio de Janeiro-RJ com R$ 622,76, Vitória-ES com R$ 616,96 e em sexto na lista Curitiba-PR com R$ 608,89.

O DIEESE estima que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.351,11, valor que corresponde a 4,86 vezes maior que o piso nacional vigente, de R$ 1.100,00. O cálculo é feito levando em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

O tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta, em maio, ficou em 111 horas e 37 minutos (média entre as 17 capitais), maior do que em abril, quando foi de 110 horas e 38 minutos. Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%), verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em maio, na média, 54,84% (média entre as 17 capitais) do salário mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.