Economia

PEC Emergencial será lida no plenário do Senado na próxima terça

Reuters
Reuters
PEC Emergencial será lida no plenário do Senado na próxima terça
Plenário do Senado

25 de fevereiro de 2021 - 19:57 - Atualizado em 25 de fevereiro de 2021 - 20:00

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – Diante de resistências a medidas de ajuste fiscal e à desvinculação de receitas da saúde e da educação, a leitura do parecer da PEC Emergencial ocorrerá apenas na próxima terça-feira, e não mais nesta quinta.

O Senado tentava iniciar a discussão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com a leitura do parecer do senador Marcio Bittar (MDB-AC), um dos primeiros passos para sua tramitação. Mas o avanço da matéria esbarrava em resistências de diversos partidos, forçando o adiamento da formalização do relatório em plenário.

O plenário analisava requerimentos do líder do PT, Paulo Rocha (PT-PA), de retirada de pauta e de remessa da proposta à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, quando o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), apresentou a sugestão de abrir mão da leitura do parecer nesta quinta, em troca da desistência de votação do requerimento, o que acabou sendo acatado pelos colegas.

Mais do que um mero adiamento na tramitação, o imbróglio desta quinta-feira aponta as dificuldades que o texto da PEC deve enfrentar no Parlamento.

A ideia, acertada em reunião de líderes mais cedo, era a de promover a leitura do parecer nesta quinta. A PEC abre caminho para a concessão do auxílio emergencial, a ser detalhado pelo Executivo, mas também traz gatilhos para o teto de gastos além da polêmica desvinculação.

Ainda durante as tentativa de acordo para a leitura do texto nesta quinta, Bezerra ponderou em plenário que o relator deve apresentar um novo texto na próxima segunda-feira, baseado nas emendas apresentadas nesta semana, que poderia atender a algumas das reclamações dos senadores.

FATIAR

A reação à desvinculação tem sido tamanha, que é visível na Casa a pressão para dividir a proposta, de forma que ela trate essencialmente do auxílio e de ações de enfrentamento à situação de calamidade, deixando temas de ajuste fiscal mais estrutural para um segundo momento.

O desejo manifestado por senadores foi rechaçado, na quarta-feira, pelo líder do governo no Senado que em publicação no Twitter afirmou que a proposta não será “fatiada”.

Partiu de Bezerra, durante as negociações em torno da PEC, a iniciativa de desidratar o texto para facilitar sua aprovação. O líder defendeu nesta quinta o relatório apresentado por Bittar, lembrou da urgência da aprovação do auxílio, mas alertou, também para a necessidade de contrapartidas fiscais. Para ele, o parecer nada mais é do que um “ponto de partida com conceitos” a serem debatidos.

A desvinculação repercutiu mal não apenas entre parlamentares, mas também entre entidades. A Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), emitiu nota em que se posiciona “veementemente contra o teor da PEC”.

Para a instituição, o texto “traz graves riscos de precarização dos serviços públicos –inclusive os essenciais– o que torna a atual conjuntura ainda mais preocupante, diante do contexto de crise sanitária vivido no nosso país, em função da Covid-19”. A federação acrescenta ainda que há alternativas à desvinculação como a tributação de altas rendas.

“A Fenafisco elaborou, em conjunto com outras entidades e institutos especialistas no tema, estudo que propõe tributar 0,3% da população e arrecadar, anualmente, valores aproximados de R$ 292 bilhões”, completa a nota.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1O1RD-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.