Economia

Novo ciclo do cobre traz chance para que mineradoras mudem sua imagem, dizem executivos

Reuters
Reuters
Novo ciclo do cobre traz chance para que mineradoras mudem sua imagem, dizem executivos
Mina de cobre de Los Bronces, da Anglo American, no Chile

12 de março de 2021 - 14:49 - Atualizado em 12 de março de 2021 - 14:55

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A boas perspectivas vistas hoje para um novo ciclo do cobre, com forte demanda e avanço dos preços, traz grande oportunidade para que as mineradoras trabalhem em conjunto com a sociedade e mudem a sua imagem, muito comprometida com grandes desastres recentes, afirmaram executivos nesta sexta-feira.

A indústria vê hoje fundamentos consistentes para o mercado de cobre, matéria-prima para a fabricação de baterias, cuja demanda tem crescido diante de iniciativas rumo à eletrificação, com avanços na indústria de energias renováveis e carros elétricos.

Ao participar de seminário virtual “The Fastmarkets Copper Seminar”, Ruben Fernandes, CEO de metais básicos da Anglo American, destacou que o metal vermelho tem um “futuro brilhante”.

“Precisamos do cobre para o futuro… É uma grande oportunidade para mudar a percepção da sociedade com as mineradoras”, disse Fernandes, destacando a importância de trabalhar em conjunto e explicando a necessidade da utilização do cobre.

“Nós precisaremos da mineração pelos próximos cinco mil anos e agora o mundo mudou. A sociedade não vai tolerar a forma como nós operávamos antes, então nós precisamos trabalhar junto com eles. E esse é o desafio que temos que ter na nossa mente, na nossa estratégia e no nosso plano de negócios”, disse Fernandes.

O executivo disse não ser possível dizer se o mundo está diante de um “super ciclo do cobre”, mas frisou que o mercado entende que os fundamentos são “muito fortes” e frisou que a companhia está trabalhando para ser bastante competitiva e estar pronta para os desafios que uma indústria de commodities traz.

O cobre atingiu uma máxima de quase 10 anos nesta semana na bolsa de Londres, com um aperto na oferta no curto prazo

A imagem da mineração, que já sofria resistência, foi bastante manchada após dois grandes desastres com barragens de rejeitos no Brasil, nos últimos anos, envolvendo a Vale, uma das principais exportadoras globais de minério de ferro.

Além dos desastres, outras questões complicadas também envolvem o imaginário sobre a mineração em todo mundo, como poluição, desmatamento, exploração de trabalhadores e do meio ambiente e diversos outros temas complexos.

Também presente no evento, Mark Travers, diretor executivo de Metais Básicos da Vale, foi na mesma direção de Fernandes e destacou os importantes programas criados pela companhia em busca de uma transformação cultural, que a aproximem da sociedade, além de destacar os fortes fundamentos vistos na indústria de cobre.

Segundo ele, a Vale tem um grande número de projetos para o metal básico e significativa sinergia com projetos de minério de ferro, que permite compartilhar infraestruturas, dentre outros pontos.

“Indústria, consumidores, todos estamos na direção correta, que é respeitar… comunidades locais… Essa é uma oportunidade fantástica de fazer a coisa certa e realmente impulsionar a sustentabilidade”, afirmou.

Recentemente, o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou que a companhia tem uma “visão muito bullish” (“altista”) para o metal vermelho, cujos projetos podem ser acelerados na região de Carajás, no Pará.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2B1D7-BASEIMAGE