Economia

Minério de ferro no atacado pressiona e IGP-M sobre 1,89% na 1ª prévia de janeiro, diz FGV

Reuters
Reuters

12 de janeiro de 2021 - 08:12 - Atualizado em 12 de janeiro de 2021 - 08:12

SÃO PAULO (Reuters) – Os preços do minério de ferro no atacado pressionaram e o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) iniciou 2021 com alta de 1,89% na primeira prévia de janeiro, depois de subir 1,28% no mesmo período do mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira.

Na primeira prévia do mês, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do IGP-M, acelerou a alta a 2,42%, de 1,39% na primeira prévia de dezembro.

“A aceleração do IPA registra nova pressão trazida por aumento no preço do minério de ferro, cuja variação passou de -3,65% para 23,45%. Com este movimento, a commodity passa a acumular alta de 134,63% em 12 meses”, explicou André Braz, coordenador dos índices de preços.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, passou a subir 0,38% na primeira prévia de janeiro, contra alta de 0,86% no mês anterior.

O destaque ficou para o grupo Educação, Leitura e Recreação, cujos preços passaram a cair 2,99% no primeiro decêndio de janeiro de uma alta de 3,52%. Neste grupo, o item passagem aérea deixou para trás o avanço de 26,08% para passar a cair 23,32%

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) desacelerou a alta a 0,94% no primeiro decêndio de janeiro, depois de ter subido 1,24% no mesmo período de dezembro.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

(Por Camila Moreira)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.