Economia

Itaú BBA eleva preço-alvo da Eneva com impulso da energia térmica na crise hídrica

Reuters
Reuters
Itaú BBA eleva preço-alvo da Eneva com impulso da energia térmica na crise hídrica
Telão na bolsa paulista mostra flutuações do mercado

14 de setembro de 2021 - 16:50 - Atualizado em 14 de setembro de 2021 - 16:55

SÃO PAULO (Reuters) – O Itaú BBA melhorou nesta terça-feira as suas projeções para a elétrica Eneva para “outperform”, elevando o preço-alvo da ação para 18,6 reais, ante 15 reais, ao afirmar que a companhia é o “melhor veículo” para navegar em uma desafiadora crise hídrica.

O banco de investimento disse ainda que, com volumes de energia ainda descontratados, a Eneva deve se beneficiar de preços da eletricidade “extremamente” elevados em 2021/22.

Analistas Marcelo Sá e Luiza Candiota afirmaram também que a Eneva oferece oportunidades de crescimento, com uma concorrência relativamente baixa.

As ações da Eneva tiveram forte alta nesta terça-feira, ganhando 3,6% ao final do pregão.

Segundo o Itaú BBA, a geração de caixa medida pelo Ebitda da Eneva deverá aumentar 57% em 2022, para 3 bilhões de reais, também à medida que os projetos Azulão-Jaguatirica e Parnaíba V entram em operação.

No segundo trimestre, o lucro da Eneva aumentou em 38%, para 118,1 milhões de reais, já com impulso de uma antecipação de despachos de suas térmicas, que foram chamadas a produzir antes devido à seca que afeta a geração hidrelétrica do país.

A Eneva, que produz o próprio gás consumido pelas termelétricas, possui seis unidades geradoras de energia.

Dessas, quatro são movidas a gás natural, todas situadas no Maranhão, enquanto outras duas são a carvão, sendo uma no Estado maranhense e outra no Ceará.

A Eneva tem outras duas térmicas em construção: Parnaíba V e Jaguatirica II –esta última em fase final, devendo ficar pronta no último trimestre do ano.

(Por Roberto Samora e Paula Arend Laier)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8D0XS-BASEIMAGE