Economia

IRB Brasil carece de mais R$1,2 bi de liquidez regulatória, descarta nova capitalização

Reuters
Reuters

31 de agosto de 2020 - 14:49 - Atualizado em 31 de agosto de 2020 - 14:49

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – O IRB Brasil Re lançará mão de operações como realização de recebíveis e da venda de ativos não financeiros para preencher uma lacuna de liquidez regulatória, o que evitará a necessidade de uma nova capitalização, disseram executivos da companhia nesta segunda-feira.

Após concluir um aumento de capital de 2,3 bilhões de reais na semana passada, a resseguradora ainda ficou com uma lacuna de 1,2 bilhão de reais para atender exigências da Susep.

Mas, perguntado por investidor sobre necessidade de um novo aumento de capital, o presidente do conselho de administração e presidente-executivo interino da empresa, Antonio Cassio dos Santos, disse que a ideia “não faz sentido”.

Segundo ele, somente com a realização de recebíveis, o IRB poderia levantar cerca de 500 milhões de reais. Além disso, a empresa pretende se desfazer de ativos não financeiros que não se enquadram na categoria de ativos de liquidez.

As medidas são parte das correções que a companhia está implementando para corrigir estragos causado por fraudes contábeis nos últimos anos, que precederam a abertura de uma fiscalização especial por parte da Susep em maio.

Santos frisou que o IRB está com indicadores sólidos do ponto de vista de solvência, mesmo para padrões internacionais.

Ainda assim, a companhia segue fazendo ajustes em seu modelo de negócios, reavaliando contratos, o que no curto prazo pode implicar baixas para prejuízo.

Após ter reportado no sábado um prejuízo líquido de 685,1 milhões de reais no segundo trimestre, o IRB Brasil seguiu no vermelho em julho e agosto, mas tende a voltar ao azul no mês que vem, disse Santos, que comparou a empresa a “um avião que passou por forte turbulência e poderia cair”. Segundo ele, a empresa agora está “aterrissando” e voltará a voar mais adiante.

Como parte do processo para fazer o IRB, cujas ações já caíram quase 80% neste ano, voltar a ser lucrativo, a empresa decidiu que não renovará alguns contratos, o que pode ter efeitos sobre o volume de receitas operacionais por algum tempo.

“Não devemos ter recuperação forte da emissão de prêmios nos próximos trimestres”, disse na teleconferência o vice-presidente de relações com investidores do IRB, Werner Süffert.

Às 14:41, a ação do IRB caía 4,40%, enquanto o Ibovespa recuava 1,46%.

Em relatórios, analistas citaram a melhora na transparência das informações divulgadas pela companhia, mas observaram que o cenário de curto prazo do IRB ainda é nebuloso, com BTG Pactual e Safra mantendo recomendação ‘neutra’ e o Credit Suisse sustentando ‘underperform’.

(Com reportagem adicional de Paula Arend Laier)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.