Economia

Ibovespa tem novo recorde; Hapvida e Intermédica disparam com plano de fusão

Reuters
Reuters
Ibovespa tem novo recorde; Hapvida e Intermédica disparam com plano de fusão
Sede da B3

8 de janeiro de 2021 - 18:28 - Atualizado em 8 de janeiro de 2021 - 18:30

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A elevada liquidez prevaleceu mais uma vez nesta sexta-feira nos mercados internacionais, inclusive na B3, cujo principal índice bateu nova máxima de fechamento, com as compras de ações desta vez concentradas em ações ligadas ao mercado doméstico.

O destaque corporativo do dia foi o anúncio de que as empresas de saúde Havpida e Notre Dame Intermédica negociam uma fusão, o que provocou a disparada das ações de ambas.

A expectativa de manutenção de política monetária frouxa por logo período e notícias numerosas sobre vacinas contra Covid-19 e seus esperados impactos positivos na economia mundial foram de novo os motes para investidores seguirem comprando ações.

Assim, mesmo com movimentos pontuais sobre ações de bancos e de empresas de commodities, que estão entre as mais importantes do Ibovespa, o índice subiu 2,2%, para fechar em 125.076,63 pontos, renovando o recorde de fechamento pelo segundo dia. Na primeira semana de 2021, o indicador teve alta de 6,8%. O giro financeiro da sessão somou 42,9 bilhões de reais.

Para o sócio e economista-chefe do banco digital modalmais, Alvaro Bandeira, as campanhas de vacinação contra Covid-19 e a expectativa de novos estímulos monetários seguem municiando o apetite por ativos de risco aumenta.

No entanto, com o Ibovespa superando a marca de 125 mil pontos, os riscos em relação ao mercado brasileiro crescem, considerando o frágil cenário fiscal do país e um ambiente político que põe em dúvida o avanço de reformas no Congresso.

“O Ibovespa pode não desabar no curto prazo porque o fluxo, especialmente estrangeiro, tem seguido forte, mas os fundamentos para justificarem novas altas ficam limitadas a um universo menor de ações”, disse Bandeira.

Em relatórios, estrategistas observaram que no curto prazo as atenções do mercado devem se concentrar no noticiário sobre combate à pandemia. As mais importantes desta sexta-feira foram as de que a Anvisa recebeu de Fiocruz e Instituto Butantan pedidos para uso emergencial de vacina que desenvolvem com parceiros internacionais.

DESTAQUES

– MRV capitaneou a escalada do setor imobiliário na B3, com um salto de 6,9%, segundo seguida por Cyrela, que avançou 4,8%, Gafisa, com avanço de 3,7%. Rossi, de menor liquidez e fora do índice, foi ainda mais longe, disparando 30,9%.

– HAPVIDA escalou 17,7%, de longe a líder no setor de saúde, após notícia de que a companhia estaria negociando uma fusão com a rival NOTRE DAME INTERMÉDICA, esta com avanço de 26,6%.

– B2W foi o carro-chefe do Ibovespa no varejo, com valorização de cerca de 7%. LOJAS RENNER veio a seguir, tendo apreciação de 5,8%. LOJAS AMERICANAS ganhou 2,98%.

– VALE, caindo 0,3%, ilustrou o movimento de realização de lucros que abateu as ações de empresas de metais. USIMINAS recuou 0,5%, mas CSN subiu 0,6% e GERDAU teve baixa de 1,5%.

– BRADESCO teve queda de 0,9%, com o embolso de ganhos também atingindo o setor bancário. SANTANDER BRASIL perdeu 1,1%.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH071D9-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.