Economia

Ibovespa fecha na mínima desde o final de maio com tombo de Petrobras

Reuters
Reuters
Ibovespa fecha na mínima desde o final de maio com tombo de Petrobras
Sede B3

6 de julho de 2021 - 17:27 - Atualizado em 6 de julho de 2021 - 17:30

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) – O Ibovespa fechou nesta terça-feira em queda pelo segundo pregão consecutivo, perdendo o patamar dos 125 mil pontos no pior momento, com Petrobras recuando 4% na esteira do declínio dos preços do petróleo no exterior.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,44%, a 125.094,88 pontos, menor fechamento desde 27 de maio. Na mínima do pregão, chegou a 124.866,38 pontos. O giro financeiro somou 26,8 bilhões de reais.

A relativa fraqueza em Nova York nesta sessão corroborou o declínio do Ibovespa, com a cautela prevalecendo antes da divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, quando antecipou projeção para uma aumento dos juros nos EUA.

O S&P 500 e o Nasdaq registraram novas máximas no começo da sessão, mas sem força para sustentar o sinal positivo, o S&P 500 encerrou em queda de 0,2%, assim como o Dow Jones, que perdeu 0,6%. O Nasdaq subiu 0,17%.

“A bolsa brasileira capturou boa parte da aversão ao risco emplacada no exterior e caiu, (com a baixa) intensificada pelo cenário político nacional”, avaliou o analista da Aware Investments Aldo Filho.

No Brasil, o desenrolar da CPI da Covid e receios sobre a nova fase da reforma tributária, em um contexto sem novos catalisadores positivos, têm avalizado uma correção de baixa no pregão paulista neste começo de julho após quatro meses de alta.

O analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro, destacou que o patamar dos 125 mil pontos será decisivo no curtíssimo prazo, pois, caso perdido, irá gerar um novo impulso de baixa e abrir caminho para o suporte de curto prazo marcado em 122 mil pontos.

DESTAQUES

– PETROBRAS PN caiu 4,09%, pressionado pelo forte recuo dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent fechou em baixa de 3,41%, a 74,53 dólares o barril. Nos poucos pregões de julho, a ação já acumula perda de quase 6%. No setor, PETRORIO ON recuou 5,82%, após cinco altas seguidas, período em que acumulou elevação de 14,5%.

– VALE ON subiu 0,53%, entre as poucas ações do Ibovespa que fecharam no azul, favorecida pelo avanço dos futuros do minério de ferro na China. No setor de mineração e siderurgia, contudo, o sinal negativo prevaleceu, com destaque para CSN ON, que perdeu 2,13%.

– BRADESCO PN recuou 1,24%, ainda afetado pelos receios sobre potenciais mudanças tributárias, bem como viés vendedor na bolsa como um todo. ITAÚ UNIBANCO PN caiu 1,11%. Pior desempenho entre os bancos do Ibovespa, BTG PACTUAL UNIT caiu 2,2%, tendo de pano de fundo acordo com a varejista online Privalia.

– AZUL PN e GOL PN perderam 4,17% e 3,25%, respectivamente, em meio à forte alta do dólar contra o real, além de notícias sobre mais casos da variante Delta do Covid-19 no país. No setor de viagem, CVC BRASIL ON fechou em baixa de 3,63%.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH6517G-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.