Economia

Guedes admite “imagem infeliz” após dizer que China inventou coronavírus

Reuters
Reuters
Guedes admite “imagem infeliz” após dizer que China inventou coronavírus
Ministro da Economia, Paulo Guedes

27 de abril de 2021 - 21:17 - Atualizado em 27 de abril de 2021 - 21:20

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu na noite desta terça-feira ter usado uma “imagem infeliz” mais cedo quando disse que o coronavírus havia sido inventado pela China e que a vacina do país asiático seria menos efetiva que a dos Estados Unidos, ao procurar desfazer “mal entendido” sobre suas declarações.

Pela manhã, Guedes teceu comentários críticos à China durante reunião do Conselho de Saúde Complementar, na qual também estava presente o chefe da pasta da Saúde, Marcelo Queiroga. “O chinês inventou o vírus, e a vacina dele é menos efetiva do que a do americano”, afirmou.

Após saber que o vídeo estava sendo gravado, Guedes disse: “Só não manda para o ar, por favor.” A transmissão do evento fora feita pelas redes sociais do Ministério da Saúde, mas após o término da reunião o vídeo não estava mais disponível.

Guedes falava sobre a relevância do investimento privado para o avanço de tecnologias em países desenvolvidos e chegou a citar como exemplo a vitória de Estados Unidos e Reino Unido na Segunda Guerra Mundial, que, segundo ele, ocorreu pela força do setor industrial de ambos.

Em entrevista na noite desta terça, em que falou sobre a troca de integrantes da Economia, Guedes aproveitou para tentar explicar suas declarações de mais cedo sobre a China. Segundo ele, ao ter dito que o vírus foi inventado na China, quis ressaltar a região de onde acredita-se que surgiu o coronavírus, e que pretendia com isso enfatizar a resposta da iniciativa privada dos Estados Unidos ao ter produzido uma vacina eficiente contra Covid-19.

“Quis dar a importância ao setor privado de como consegue produzir respostas. Então mesmo um vírus desconhecido que veio de fora, eles conseguiram fazer uma vacina que parece mais eficaz ainda do que a da própria região que saiu o vírus. Foi só essa imagem que eu quis usar”, disse.

“Nós somos muito gratos à China por ter nos enviado vacina. Eu tomei a CoronaVac, tomei a primeira dose 30 dias atrás e a segunda dose neste domingo, então eu não vou falar mal da vacina”, completou.

Na entrevista, o ministro da Economia disse que suas declarações não tinham “nenhum objetivo” e que o próprio presidente Jair Bolsonaro comunicou-o de que o ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, iria entrar em contato com autoridades chinesas para desfazer o que chamou de “mal entendido”.

Após as declarações do ministro da Economia, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, usou seu Twitter para destacar a relação entre os dois país no enfrentamento à pandemia.

“Até o momento, a China é o principal fornecedor das vacinas e os insumos ao Brasil, que respondem por 95% do total recebido pelo Brasil e são suficientes para cobrir 60% dos grupos prioritários na fase emergencial. A CoronaVac representa 84% das vacinas aplicadas no Brasil”, disse.

Críticas de integrantes do governo e de pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro à China causaram mal-estar no ano passado. O país asiático –maior parceiro comercial do Brasil– é fornecedor do insumo farmacêutico ativo (IFA) da CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac, e da vacina da AstraZeneca com a Universidade de Oxford — os dois únicos imunizantes que estão sendo aplicados no Brasil atualmente.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3R00D-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.