Economia

GM amplia corte em produção na América do Norte por falta de chips

Reuters
Reuters
GM amplia corte em produção na América do Norte por falta de chips
Edifício-sede da General Motors, em Detroit, EUA

24 de março de 2021 - 16:47 - Atualizado em 24 de março de 2021 - 16:50

Por Ben Klayman

DETROIT, Estados Unidos (Reuters) – A General Motors estendeu os cortes de produção na América do Norte nesta quarta-feira em razão da escassez mundial de chips semicondutores que afetou o setor automotivo.

A montadora norte-americana disse que a fábrica de montagem em Wentzville, Missouri, ficará ociosa durante 29 de março e 5 de abril. A companhia estenderá também o tempo de inatividade na fábrica em Lansing, Michigan, que está desativada desde 15 de março, por duas semanas.

A ação foi levada em consideração na previsão anterior da GM de que a situação poderia cortar até 2 bilhões de dólares do lucro deste ano, disse o porta-voz David Barnas. A GM não revelou quanto volume seria perdido com a mudança, mas disse que a empresa pretende compensar o máximo possível de produção perdida no final do ano.

A escassez de chips ocorre depois que as fábricas de automóveis norte-americanas ficaram fechadas por dois meses durante a pandemia de Covid-19 no ano passado e os pedidos de chips foram cancelados, enquanto houve aumento da demanda da indústria de eletrônicos de consumo. As montadoras passaram, então, a competir por chips.

Os chips são usados extensivamente em carros, incluindo para monitorar o desempenho do motor, gerenciar a direção ou janelas automáticas e em sensores usados em sistemas de estacionamento e entretenimento.

Os veículos afetados pelos cortes de produção da GM incluem picapes de médio porte e os carros Cadillac CT4 e CT5 e Camaro.

Enquanto isso, a GM disse que a fábrica em San Luis Potosi, no México, desativada desde 8 de fevereiro, retomará a produção com dois turnos a partir de 5 de abril.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2N1VK-BASEIMAGE