Economia

Gastos dos consumidores nos EUA superam expectativa em setembro; perspectiva é incerta

Reuters
Reuters
Gastos dos consumidores nos EUA superam expectativa em setembro; perspectiva é incerta
Loja da Louis Vuitton em Beverly Hills

30 de outubro de 2020 - 11:55 - Atualizado em 30 de outubro de 2020 - 11:55

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) – Os gastos dos consumidores dos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em setembro, mas o fim dos benefícios de auxílio-desemprego para milhões de norte-americanos e um ressurgimento nos casos de Covid-19 em todo o país podem desacelerar os gastos no quarto trimestre.

O relatório do Departamento de Comércio desta sexta-feira também mostrou que a inflação permaneceu baixa no mês passado, o que poderia permitir ao Federal Reserve manter os juros perto de zero por um tempo para ajudar na recuperação diante da recessão por conta da Covid-19, à medida que o estímulo fiscal perde força. Um pacote de mais de 3 trilhões de dólares em ajuda governamental em resposta à pandemia, que incluiu um subsídio semanal de auxílio-desemprego, impulsionou o crescimento econômico recorde no terceiro trimestre.

Os gastos dos consumidores, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, subiram 1,4% no mês passado após ganho de 1% em agosto. Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 1% do consumo em setembro.

Os consumidores aumentaram as compras de bens como veículos novos, roupas e calçados. Eles também aumentaram os gastos com saúde, clubes e centros esportivos, parques, teatros e museus. Ainda assim, os gastos dos consumidores permanecem abaixo do nível do início do ano, contidos pelos gastos menores com serviços como viagens aéreas e hospedagem em hotéis.

Os dados foram incluídos no relatório do Produto Interno Bruto norte-americano para o terceiro trimestre de quinta-feira, que mostrou uma recuperação da economia a uma taxa histórica anualizada de 33,1%. Isso se seguiu a um ritmo de contração de 31,4% no segundo trimestre, a maior queda desde que o governo dos EUA começou a manter registros, em 1947.

Um ritmo chocante de crescimento de 40,7% nos gastos do consumidor foi responsável por 76,3% da recuperação do PIB norte-americano. A economia permanece 3,5% abaixo de seu nível registrado ao final de 2019, e analistas esperam que essa lacuna seja superada no quarto trimestre de 2021.

Grande parte dos gastos no último trimestre foi impulsionada por bilhões de dólares em cheques do governo, incluindo um auxílio-desemprego de 600 dólares por semana e um cheque único de 1.200 dólares para as famílias.

O suplemento semanal de 600 dólares expirou em julho e foi substituído por um auxílio semanal de 300 dólares, cujo financiamento acabou em setembro. Não há acordo à vista para outro pacote de resgate econômico. Mesmo assim, a renda pessoal recuperou-se 0,9% em setembro, após cair 2,5% em agosto.

Os norte-americanos também estão investindo em economias para financiar seus gastos. A taxa de poupança caiu para 14,3% em setembro, ainda alta, ante nível de 14,8% em agosto. As economias atingiram um pico recorde de 33,6% em abril.

Apesar do salto mais forte do que o esperado nos gastos do consumidor no mês passado, a inflação permaneceu benigna.

O índice de preços PCE, excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, avançou 0,2%, após subir 0,3% em agosto. No acumulado dos 12 meses até setembro, o núcleo do índice PCE saltou 1,5%, após avançar 1,4% em agosto.

O núcleo do índice PCE é a medida de inflação preferida para a meta de 2% do Fed, que agora é uma média flexível.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9T15C-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.