Economia

FMI eleva perspectiva de crescimento para mercados emergentes, mas vê trajetórias divergentes de recuperação

Reuters
Reuters
FMI eleva perspectiva de crescimento para mercados emergentes, mas vê trajetórias divergentes de recuperação
Pandemia de coronavírus reduzirá 3% da produção global em médio prazo, diz FMI

6 de abril de 2021 - 09:47 - Atualizado em 6 de abril de 2021 - 09:50

Por Karin Strohecker

LONDRES (Reuters) – Economias em desenvolvimento vão crescer mais rapidamente do que o previsto anteriormente, prevê o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas muitas fora da Ásia vão ficar para trás na recuperação em relação a seus pares desenvolvidos, tendência que pode prejudicar esforços de reduzir a diferença nos padrões de vida.

Em seu relatório Perspectiva Econômica Global, divulgado no início das reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial, o fundo elevou sua previsão para o crescimento nos mercados emergentes e economias em desenvolvimento para 6,7% em 2021, de 6,3% do relatório de janeiro. As perspectivas de crescimento em 2021 para todas as regiões foram melhoradas.

Entretanto, o fundo manteve em 5,0% sua estimativa de expansão dos mercados emergentes em 2022. Enquanto isso, as economias avançadas viram fortes melhoras em seus cenários de crescimento para este ano e o próximo, com as projeções elevadas a 5,1% e 3,6% respectivamente.

Enquanto a China retornou a níveis pré-Covid do PIB ainda em 2020 e os Estados Unidos devem fazer isso neste ano, muitos mercados emergentes não chegarão lá antes de 2023, disse a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, no relatório.

“As trajetórias divergentes de recuperação devem criar diferenças significativamente maiores nos padrões de vida entre países em desenvolvimento e outros, comparado com as expectativas pré-pandemia”, disse Gopinath.

O FMI calcula que os mercados emergentes excluindo a China devem sofrer uma perda de 20% da renda per capita ao longo de 2020–2022 em comparação com projeções pré-pandemia, enquanto em economias avançadas essa perda ficaria em apenas 11%.

“Isso reverte os ganhos em redução da pobreza, com a expectativa de que mais 95 milhões de pessoas tenham entrado em extrema pobreza em 2020 e de 80 milhões mais de subnutridos do que antes”, acrescentou Gopinath.

Detalhes do crescimento regional em mercados emergentes mostram as divergências. Economias asiáticas devem expandir 8,6% neste ano e 6,0% em 2022, depois de lockdowns terem sido aliviados em grandes países como a Índia.

Enquanto isso, a Europa emergente deve crescer 4,4% neste ano, a região da América Latina e Caribe deve ter expansão de 4,6%, e o conjunto Oriente Médio, Ásia Central e África Sub-Saariana deve ter crescimento de 3,7% e 3,4% respectivamente.

(Reportagem de Karin Strohecker)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH350SI-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.