Economia

EXCLUSIVO-Consórcio com 3R disputa refinaria e campos da Petrobras, dizem fontes

Reuters
Reuters
EXCLUSIVO-Consórcio com 3R disputa refinaria e campos da Petrobras, dizem fontes
Logo da Petrobras, empresa de petróleo, no Rio de Janeiro, Brasil.

22 de junho de 2021 - 12:49 - Atualizado em 22 de junho de 2021 - 12:50

Por Gram Slattery

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Consórcios liderados pela 3R Petroleum e pela companhia de private equity Seacrest Capital realizaram ofertas vinculantes por uma refinaria e diversos campos de petróleo da Petrobras, disseram à Reuters três fontes familiarizadas com o assunto.

O Grupo Verde Brasil (GVB), do Rio de Janeiro, e a B-in Partners –que possui sede em Houston– se uniram à oferta liderada pela 3R pelos ativos, conhecidos conjuntamente como Polo Potiguar, afirmaram as fontes.

Já a Seacrest realizou uma oferta ao lado da brasileira Global Participações em Energia, que opera usinas nas regiões Norte e Nordeste do país, acrescentaram as fontes, que pediram anonimato para debater assuntos confidenciais.

As ofertas, de 11 de junho, ainda não haviam sido noticiadas pela imprensa.

Há expectativas que o Polo Potiguar arrecade ao menos centenas de milhões de dólares, podendo chegar a mais de 1 bilhão de dólares, segundo duas fontes.

A Petrobras está negociando dezenas de ativos não essenciais em uma tentativa de reduzir sua dívida e ampliar seu foco na produção de petróleo em águas profundas.

Petrobras, 3R, GVB e B-in não quiseram comentar o assunto.

Seacrest e Global não responderam a um pedido por comentários.

A Petrobras anunciou em agosto que colocaria à venda o Polo Potiguar, localizado no Rio Grande do Norte. O ativo inclui uma produção de 23 mil barris por dia (bpd) em instalações terrestres e de águas rasas, segundo os documentos divulgados no ano passado para o processo de venda. O polo também conta com a refinaria Potiguar Clara Camarão, que possui capacidade instalada de 39.600 bpd.

Ainda não está claro se algum outro consórcio realizou uma oferta pelos ativos. O Grupo Cobra, subsidiária da companhia francesa de infraestrutura Vinci, participou de fases iniciais do processo, mas não está claro se chegou a submeter uma oferta vinculante.

O Cobra não respondeu a um pedido por comentários.

Se a Petrobras considerar alguma oferta pelo Polo Potiguar adequada, provavelmente serão iniciadas dentro de dias ou semanas negociações bilaterais com o consórcio vencedor, disseram as fontes.

As vendas de ativos pela Petrobras voltaram a ganhar ritmo após terem desacelerado drasticamente em 2020 e no início de 2021, período em que a pandemia de Covid-19 minou a demanda de possíveis compradores e a empresa passou por uma grande mudança de gestão.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5L0XT-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.