Economia

Engie Brasil prevê agravamento do risco hidrológico nos próximos meses, diz CFO

Reuters
Reuters
Engie Brasil prevê agravamento do risco hidrológico nos próximos meses, diz CFO
Marca da companhia na França

6 de maio de 2021 - 15:16 - Atualizado em 6 de maio de 2021 - 15:20

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Engie Brasil Energia, da francesa Engie, prevê que o risco hidrológico vai se agravar ainda mais nos próximos meses e se prepara para evitar impactos por meio de uma estratégia de gestão de portfólio, afirmou nesta quinta-feira o diretor financeiro da companhia, Marcelo Malta.

Para enfrentar o cenário, a Engie –maior geradora de energia privada do Brasil– conta com a geração do complexo termelétrico a carvão Jorge Lacerda, em Santa Catarina, além de deixar parte de sua energia descontratada. Caso necessário, a empresa vai a mercado comprar energia, pontuou o executivo.

“Essa hidrologia é uma das piores da série histórica, então realmente a questão é muito grave, isso requer um tremendo de um desafio para o nosso pessoal de gestão de portfólio”, afirmou Malta, durante apresentação dos resultados do primeiro trimestre a analistas e investidores.

“Nossa expectativa para os próximos meses é que o GSF (nome técnico para risco hidrológico) se agrave ainda mais… Nós temos bastante experiência, capacidade de fazer projeções que a gente tem verificado muito próximas da realidade e isso nos dá tranquilidade de que conseguiremos fazer essa gestão de forma adequada.”

Malta pontuou que o complexo Jorge Lacerda, que tem funcionado como o “hedge” para GSF, está à venda e que negociações bilaterais com a Fram Capital, iniciadas em 25 de fevereiro, estão avançando.

Dessa forma, a empresa poderá manter uma parcela maior de energia descontratada para se proteger do cenário desafiador da hidrologia.

“O que é feito é já prever uma parcela maior de energia descontratada. Então é possível também que a gente continue comprando energia caso o ativo seja vendido por um período de curto prazo, o que nos garante também esse ‘hedge’ por mais algum tempo”, afirmou.

A venda de Jorge Lacerda, de 857 MW, vem como uma estratégia de descarbonização da companhia, destacou o gerente de Relações com Investidores da Engie, Rafael Bósio.

A térmica a carvão Pampa Sul (345 MW), no Rio Grande do Sul, também foi colocada à venda e teve inicialmente 12 interessados. A empresa está atualmente selecionando os potenciais compradores, segundo os executivos.

Enquanto busca vender operações de carvão, a empresa incrementou nos últimos cinco anos entre 600-700 MW em capacidade eólica e está agregando ainda mais 360 MW com o projeto em construção Conjunto Eólico Campo Largo II, cujas operações tiveram início no primeiro trimestre, disse Bósio.

Outro importante projeto, o Conjunto Eólico Santo Agostinho, no Rio Grande do Norte, cujas obras estão previstas para iniciar em junho, agregará 434 MW e deve ser entregue em 2023.

INDEXADORES

Malta também afirmou, durante a conversa com analistas, que poderá pleitear junto à reguladora Aneel substituir o IGP-M como indexador em contratos de venda de energia.

“Por conta desse recente comportamento do IGP-M, considerando que temos um saldo no nosso passivo de concessões a pagar, a aplicação do IGP-M sobre esse saldo acaba gerando impacto significativo na nossa despesa financeira”, afirmou.

“Como hoje não é tão comum vender energia indexada ao IGP-M, a gente está avaliando nesse momento a possibilidade de pleitear à Aneel a troca do nosso indexador. A gente está fazendo algumas projeções para avaliar se esse é o momento adequado de fazer essa troca, mas isso está previsto nas regras da Aneel. Já fizemos isso no passado.”

(Por Marta Nogueira)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4514Y-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.