Economia

Com pandemia, empresas digitais ganham força

Empresas digitais não têm endereço fixo e conseguem manter a produtividade em regime de home office.

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Com pandemia, empresas digitais ganham força

25 de setembro de 2020 - 13:39 - Atualizado em 25 de setembro de 2020 - 14:25

Durante a pandemia, 46% das empresas adotaram o regime de home office. Esses números foram divulgados após a Pesquisa Gestão de Pessoas na Crise da Covid-19. O estudo foi feito pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que analisou 139 empresas de todos os portes e de todas as regiões do país. Isso fez com que começassem a surgir empresas digitais, que não contam com endereço fixo e que pretendem adotar o home office mesmo após a chegada das vacinas.

Daniela Passuello é sócia de uma dessas empresas digitais e acredita que essa mudança foi apenas antecipada. “Acredito que inconscientemente o consumidor antecipou uma mudança que vinha ocorrendo há alguns anos na forma de consumo. Inclusive a porcentagem de novos consumidores online teve um pico em março, já no início da pandemia”, diz ela, que pretende manter o home office na sua agência de Marketing Digital Ninho Digital.

Empresas digitais economizam e mantêm produtividade

Além de manter a equipe protegida, as empresas digitais conseguem economizar com aluguel e, ainda assim, manter a produtividade dos funcionários. “Nem toda empresa tem a necessidade de um espaço físico amplo que gera uma despesa significativa todo mês. Também vejo como vantagem a flexibilidade de horários, de adaptação à mudança e a escalabilidade do negócio, pois sendo digital, quilômetros não são mais barreiras para atender novas cidades e estados”, afirma Passuello.

Ela lembra, ainda, que sua empresa se adaptou bem à ideia de ser uma empresa digital. “Já estava no nosso DNA pensar digital, mas agora somos 100% digitais. Não vejo como o ‘formato do futuro’, pois não acredito em um único padrão que encaixe perfeitamente para todos os setores, mas vejo que será mais simples e corriqueiro ter empresas digitais, com colaboradores home office”.