Economia

Eletrobras pode mais que dobrar de valor após privatização, projetam analistas

Reuters
Reuters
Eletrobras pode mais que dobrar de valor após privatização, projetam analistas
Logo da Eletrobras visto em painel na bolsa de Nova York

24 de fevereiro de 2021 - 12:13 - Atualizado em 24 de fevereiro de 2021 - 12:15

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) – O eventual sucesso na proposta do governo de privatizar a Eletrobras poderia mais que dobrar o valor das ações da companhia, disseram analistas de bancos em relatórios, embora com ressalvas de que o projeto deve sofrer resistência e ter um caminho difícil à frente no Congresso.

O presidente Jair Bolsonaro entregou na noite de terça-feira aos presidentes da Câmara e do Senado uma medida provisória sobre a desestatização, que ocorreria por meio de uma emissão de novas ações que diluiria a fatia do governo na elétrica.

“Evidentemente, há um significativo valor adicional a ser destravado se a privatização tiver sucesso. Nesse caso, nosso preço-alvo para ELET6 salta para 75 reais por ação”, escreveu a equipe do BTG Pactual, sobre as ações preferenciais da empresa.

Os papéis PN da Eletrobras operavam a 35 reais nesta quarta-feira, em alta de cerca de 9% por volta das 11h45, após subirem mais de 10% na véspera.

“Nosso cenário de análise pós-capitalização (desestatização) sugere um valor hipotético no intervalo entre 58,3/91,3 reais por ação para ELET3 (ações ordinárias) e 63,8 reais/100,2 por ação para ELET6”, projetaram analistas do Goldman Sachs.

Os papéis ordinários da Eletrobras subiam 6% nesta quarta-feira, a 34,63 reais.

“No entanto, observamos potenciais desafios para a aprovação da proposta, especialmente uma vez que a companhia ainda não tem um novo CEO indicado”, alertou o Goldman, referindo-se ao anúncio pela companhia no final de janeiro sobre a saída de seu presidente-executivo Wilson Ferreira Jr. em meados de março.

Ferreira assumirá o comando da BR Distribuidora, em decisão tomada, segundo ele, após ver “perda de tração” na privatização da elétrica.

Os analistas do BTG disseram que a retomada da desestatização por MP, e não projeto de lei como antes, tem potencial de acelerar o processo, “mas ainda há riscos de que o texto expire antes de ser aprovado, especialmente considerando a residência à tentativa anterior (de privatização).

Em suas projeções de preço-alvo para as ações ordinárias da companhia em condições atuais, de 63 reais, o BTG disse levar em consideração uma chance de 50% de desestatização.

“O fato de que o presidente Bolsonaro entregou pessoalmente a MP ao Congresso mostra sinais muito mais fortes de comprometimento do governo em fazer isso acontecer”, destacou.

Já o time de research do Credit Suisse disse que a decisão do governo de avançar com a privatização “é certamente positiva para a Eletrobras”, mas destacou que “ainda precisamos de apoio político para que a proposta seja aprovada”.

“Lembramos a investidores que o governo sofreu anteriormente (para avançar) com a privatização e, consequentemente, acreditamos que é importante ter uma visão mais clara sobre a opinião do Congresso em relação a essa nova MP.”

O projeto de lei sobre a desestatização enviado ao Congresso pelo governo Bolsonaro no final de 2019 não andou, e sequer teve relator indicado.

A MP segue bases semelhantes previstas anteriormente no projeto de lei, com mudanças pontuais que aumentam contrapartidas exigidas da empresa após a operação.

A medida provisória precisa ser votada em 60 dias, prorrogáveis por mais 60, para se tornar lei. Enquanto isso, no entanto, seus dispositivos já vigoram, o que permitirá ao governo contratar o BNDES serviços técnicos relacionados à privatização.

(Por Luciano Costa, reportagem adicional de Paula Arend Laier; Edição de Roberto Samora)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1N11S-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.