Economia

Dólar sobe em dia negativo para ativos de risco, sem tirar fiscal do radar

Reuters
Reuters
Dólar sobe em dia negativo para ativos de risco, sem tirar fiscal do radar
Notas de cem dólares

18 de fevereiro de 2021 - 17:24 - Atualizado em 18 de fevereiro de 2021 - 17:25

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em alta contra o real nesta quinta-feira, dia negativo para ativos de risco no mundo em meio a incertezas sobre a recuperação econômica global, alta de rendimentos de títulos de dívida e receios em torno da agenda econômica no Brasil.

O dólar à vista subiu 0,48%, a 5,4414 reais na venda.

A moeda bateu a mínima do dia (de 5,3871 reais, queda de 0,52%) ainda na primeira meia hora de negócios e tomou algum fôlego a partir de 10h, estabilizando-se cerca de 30 minutos depois em torno de 5,42 reais. Perto de 12h a cotação voltou a ganhar impulso, até tocar a máxima intradiária às 15h19, de 5,454 reais, alta de 0,71%.

No exterior, o dólar subia 0,6% contra peso mexicano e peso colombiano, 0,3% frente ao rublo russo e 0,4% ante o iuan chinês. Em Wall Street, as bolsas de valores caíam entre 0,3% e 0,5%.

Temores de aumento de inflação com o crescimento econômico ainda tentando ser recuperado têm deixado investidores nervosos. Evidenciando esses receios, os yields dos títulos do Tesouro dos EUA –considerados o ativo mais seguro do mundo– subiam, a despeito da fraqueza em mercados de risco.

Uma aceleração da inflação nos EUA poderia levar o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) a retirar parte do suporte concedido aos mercados para enfrentamento da crise causada pela pandemia, o que significaria menos liquidez para países emergentes, como o Brasil.

Tal movimento pegaria o país num momento de fragilidade das contas públicas e poderia intensificar pressões de alta nas taxas de juros de mercado e no dólar caso Congresso e governo não cheguem a um consenso sobre contrapartidas a um novo auxílio emergencial, avaliou a economista-chefe do Credit Suisse Brasil, Solange Srour.

Para ela, mesmo com alta de juros, o real não voltaria a ser moeda que se beneficia do “carry trade” –quando o investidor apostas em divisas de maior rendimento–, devido ao risco fiscal –o mesmo que faz o Credit Suisse limitar sua aposta de queda do dólar para 5,20 reais.

O mercado manteve no radar ainda impactos sobre o calendário de reformas oriundos da tensão em Brasília após a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), acusado de divulgar ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A XP lembrou que Daniel Silveira é aliado do presidente Jair Bolsonaro e que também as taxas de juros subiram diante do risco de que o imbróglio em Brasília possa “vir a atrapalhar as negociações em torno do auxílio emergencial”.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta quinta-feira que a chamada PEC Emergencial será pautada no plenário da Casa na próxima semana e que o parecer da proposta deve ser divulgado até a segunda-feira.

Pacheco esteve reunido nesta quinta com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir o auxílio emergencial e contrapartidas para o programa assistencial.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.