Economia

Dólar sobe 35% no primeiro semestre e real tem pior desempenho mundial

Estadão
Estadão Conteúdo

30 de junho de 2020 - 17:58 - Atualizado em 30 de junho de 2020 - 17:58

O dólar fechou junho em alta de 1,9%, acumulando valorização de 4,7% no segundo trimestre e de 35,6% no primeiro semestre, marcando o real como a moeda em 2020 com pior desempenho, considerando uma lista de 34 divisas mais líquidas no mundo. Dos seis primeiros meses do ano, o dólar só caiu em maio. Nesta terça-feira, por ser o último dia de vários períodos – mês, segundo trimestre e semestre – fatores técnicos acabaram predominando e mesmo após a definição do referencial Ptax, usados como base em balanços corporativos e contratos cambiais, a pressão de alta continuou, levando o Banco Central a fazer um leilão de dólar à vista. Profissionais das mesas de câmbio relataram ainda fluxo de saída de recursos hoje.

No fechamento, o dólar à vista terminou o dia em R$ 5,4402, em alta de 0,25%. No mercado futuro, o dólar para agosto, que hoje passou a ser o contrato mais líquido, era negociado em R$ 5,4495 às 17h, com ganho de 0,79%.

O diretor de tesouraria de um banco observa que o mercado de câmbio operou parte dos negócios descolado dos demais ativos, por conta de fatores técnicos, tendo um dia volátil. Pela manhã, o mercado “foi claramente comprador”, ou seja, antes da definição do referencial Ptax, ressalta ele. Assim, o dólar bateu em R$ 5,50. Nos negócios da tarde, voltou a apresentar “certa normalidade”, com auxílio do leilão do BC. Com isso, passou a acompanhar mais de perto o exterior.

No ranking de piores moedas de 2020, o real é seguido pelo rand da África do Sul, onde o dólar acumulou alta no primeiro semestre de 24%, e o peso mexicano, onde subiu 21%. Mesmo com o real tendo o pior desempenho este ano, a perspectiva dos estrategistas de câmbio é que a moeda brasileira deve seguir fraca na segunda metade do ano.

A analista de moedas e emergentes do banco alemão Commerzbank, You-Na Park-Heger, observa que as incertezas sobre os rumos da pandemia de coronavírus no Brasil permanecem altas, isso em um cenário de juros historicamente baixos e com chance de cair ainda mais e ainda ruídos políticos. “Nesse contexto, é provável que os investidores sigam cautelosos e que o real continue fraco.”

O banco americano Citi projeta dólar acima de R$ 5,00 este ano e no próximo. Para dezembro, a projeção é de dólar em R$ 5,21. Em relatório divulgado hoje, a projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB) foi mantida em 6,5% para este ano. O Citi também manteve a estimativa para a taxa básica de juros em 2,25%, mas não descarta a possibilidade de novo corte na taxa na reunião de agosto do BC.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.