Economia

Déficit comercial dos EUA salta para máxima recorde em junho com forte crescimento das importações

Reuters
Reuters
Déficit comercial dos EUA salta para máxima recorde em junho com forte crescimento das importações
Porto de Long Beach, Califórnia, EUA

5 de agosto de 2021 - 10:37 - Atualizado em 5 de agosto de 2021 - 10:40

WASHINGTON (Reuters) – O déficit comercial dos Estados Unidos atingiu uma máxima recorde em junho, uma vez que os esforços das empresas em recompor os estoques para atender à demanda robusta de gastos do consumidor atraíram mais importações.

O Departamento do Comércio informou nesta quarta-feira que o déficit comercial aumentou 6,7%, para 75,7 bilhões de dólares em junho, um recorde histórico.

Economistas consultados pela Reuters esperavam um déficit de 74,1 bilhões de dólares.

As importações de bens aumentaram 1,8%, para 239,1 bilhões de dólares, também uma máxima recorde. As exportações de bens aumentaram 0,2%, para 145,9 bilhões de dólares em junho, máxima histórica.

O governo norte-americano informou na semana passada que os gastos do consumidor aumentaram no segundo trimestre, com um crescimento sólido nas despesas com bens, mesmo com a demanda voltando para serviços devido à vacinação contra a Covid-19.

O crescimento de dois dígitos nos gastos do consumidor no último trimestre ajudou a deixar o nível do Produto Interno Bruto (PIB) acima de seu pico no quarto trimestre de 2019. Os estoques das empresas se esgotaram rapidamente no segundo trimestre.

A economia dos EUA se recuperou mais rapidamente da pandemia do que seus principais rivais devido ao enorme estímulo fiscal, às baixas taxas de juros e a um alto nível de vacinação contra o coronavírus. Isso está pressionando o déficit comercial, que atuou como peso negativo sobre o PIB por quatro trimestres consecutivos.

(Por Lucia Mutikani)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH740XV-BASEIMAGE