Economia

Cooabriel paga recorde de R$540/saca por café conilon a cooperados

Reuters
Reuters
Cooabriel paga recorde de R$540/saca por café conilon a cooperados
Sacas de grãos de café para exportação em Santos, Brasil.

23 de julho de 2021 - 20:29 - Atualizado em 23 de julho de 2021 - 20:30

SÃO PAULO (Reuters) – O preço do café conilon pago pela Cooabriel a cooperados atingiu nesta sexta-feira um recorde de 540 reais por saca de 60 kg, superando a marca 530 reais registrada há quase cinco anos, como reflexo da queda de produção da variedade arábica no Brasil, maior produtor global da commodity.

A instituição sediada em São Gabriel da Palha (ES), maior cooperativa de produtores de conilon do Brasil, destacou em nota que importantes áreas de arábica do país, que já haviam sido fortemente afetadas pela estiagem no ano passado, foram castigadas pelas geadas nesta semana.

Como reflexo, a cotação do café conilon acompanhou o mercado do arábica e também saltou. A Cooabriel se disse otimista com a valorização dos preços, mas ponderou que condições climáticas desfavoráveis também podem afetar a safra local de café robusta –outra nomenclatura para o conilon.

“Como o café trata-se de uma commodity, existem muitas variáveis, mas estamos otimistas… Nossa grande preocupação hoje é com o clima, que apresenta frio intenso e falta de chuvas em nossa região, o que poderá comprometer o resultado da próxima safra”, afirmou em nota o gerente corporativo de comercialização da Cooabriel, Edimilson Calegari.

Ele disse ainda que o aumento do preço do café nos últimos dias ajuda a amenizar a alta dos insumos.

No mercado internacional, os contratos futuros do café arábica chegaram a atingir o maior patamar em seis anos e meio, acima de 2 dólares por libra-peso, também na esteira das geadas no Brasil. Já o robusta bateu uma máxima de quatro anos, a 1.993 dólares por tonelada.

O recorde anterior nos preços pagos pela Cooabriel a cooperados, apurado em novembro de 2016, havia ocorrido em função da grande seca que atingiu as regiões produtoras do Espírito Santo, causando uma quebra de safra.

(Por Gabriel Araujo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6M19A-BASEIMAGE