Economia

Confiança do consumidor dos EUA salta, déficit comercial de bens aumenta

Reuters
Reuters
Confiança do consumidor dos EUA salta, déficit comercial de bens aumenta
(Blank Headline Received)

29 de setembro de 2020 - 13:44 - Atualizado em 29 de setembro de 2020 - 13:45

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) – A confiança do consumidor dos Estados Unidos se recuperou mais do que o esperado em setembro, em meio a uma melhora nas avaliações sobre o mercado de trabalho, mas permaneceu abaixo dos níveis que prevaleciam antes da pandemia de Covid-19 golpear o país mais cedo neste ano.

O aumento na confiança relatado pelo Conference Board nesta terça-feira ocorreu apesar do ressurgimento de novos casos de coronavírus em algumas partes dos EUA e à medida que a ajuda do governo para empresas e desempregados diminui. Os consumidores também pareceram ignorar a crescente incerteza antes da eleição presidencial de 3 de novembro.

Alguns economistas disseram que a forte leitura do índice de confiança poderia aliviar a pressão sobre a Casa Branca e o Congresso por outro pacote de resgate.

“A magnitude do aumento de hoje nos diz que o consumidor acha que os piores dias da recessão acabaram”, disse Chris Rupkey, economista-chefe do MUFG em Nova York. “É um grande avanço para a economia e apoia um crescimento mais forte no quarto trimestre, mesmo que Washington continue incapaz de fornecer estímulo fiscal adicional.”

O índice de confiança do consumidor divulgado pelo Conference Board aumentou para 101,8 neste mês, de 86,3 em agosto. Economistas ouvidos pela Reuters previam que o índice subiria para 89,5 em setembro. O índice superou 130 no início do ano.

A data de corte para a pesquisa foi 18 de setembro.

A medida da situação atual, baseada na avaliação dos consumidores sobre as condições atuais do mercado de trabalho e negócios, aumentou para 98,5, de 85,8 em agosto. O índice de expectativas –baseado nas perspectivas de curto prazo dos consumidores para renda, negócios e condições do mercado de trabalho– saltou para 104,0, de uma leitura de 86,6 em agosto.

O chamado diferencial do mercado de trabalho –derivado de opiniões dos entrevistados sobre se empregos são abundantes ou difíceis de conseguir– melhorou para 2,9 neste mês, de -2,2 em agosto. Essa medida se correlaciona intimamente com a taxa de desemprego no relatório de emprego do Departamento de Trabalho. Essa medida estava em 38,3 em agosto do ano passado.

RISCOS NEGATIVOS

Novos casos diários de Covid-19 começaram a aumentar na semana passada pela primeira vez em oito semanas. O dinheiro do governo para ajudar empresas a pagarem salários praticamente secou, ​​e dezenas de milhares de trabalhadores de companhias aéreas estão enfrentando demissões ou licenças em outubro.

Um complemento semanal de seguro-desemprego de 600 dólares terminou em julho e foi substituído por um subsídio semanal de 300 dólares, cujo financiamento já está se esgotando.

Um relatório separado do Departamento de Comércio divulgado nesta terça-feira mostrou que o déficit comercial de bens aumentou em agosto, com as importações aumentando à medida que empresas recompuseram estoques, que se esgotaram no início da pandemia.

Ainda assim, o aumento do déficit no comércio de bens não mudou expectativas de um salto recorde no Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre, depois que a produção despencou no período de abril a junho em seu ritmo mais acentuado desde 1947.

A economia entrou em recessão em fevereiro, mas ganhou impulso no verão norte-americano com a reabertura de empresas e estímulos fiscais do governo.

O déficit no comércio de bens aumentou 3,5%, para um recorde de 82,9 bilhões de dólares no mês passado. As importações de bens subiram 3,1%, para 201,3 bilhões de dólares, mais do que compensando acréscimo de 2,8% nas exportações de bens, para 118,3 bilhões de dólares.

O Departamento de Comércio também informou nesta terça-feira que os estoques no varejo aumentaram 0,8% em agosto, após recuperação de 1,2% em julho. Os estoques de veículos automotores e peças cresceram 0,6%.

Os estoques do varejo, excluindo veículos automotores e peças, componente do PIB, tiveram alta de 0,9%, após avanço de 0,6% em julho.

Os estoques no atacado se recuperaram 0,5% em agosto, após caírem 0,1% no mês anterior. Espera-se que o acúmulo de estoques contribua para o crescimento do PIB no terceiro trimestre, após retirar décimos de pontos percentuais da expansão do PIB por cinco trimestres consecutivos.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG8S1ZH-BASEIMAGE