Economia

Comissão de Orçamento do Congresso aprova parecer preliminar da LDO para 2022

Reuters
Reuters
Comissão de Orçamento do Congresso aprova parecer preliminar da LDO para 2022
Plenário da Câmara dos Deputados

12 de julho de 2021 - 15:55

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou nesta segunda-feira o relatório preliminar da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022, que estabelece metas e prioridades para a elaboração do Orçamento do próximo ano.

A votação do relatório preliminar abre espaço para a apresentação de emendas ao texto até a quarta-feira, dia em que pode ser votado o parecer final da comissão, a ser posteriormente levado a votação em sessões do Congresso Nacional. O Parlamento só pode entrar oficialmente em recesso se votar a LDO até o dia 17 de julho.

De autoria do deputado Juscelino Filho (DEM-MA), o relatório considera, entre os parâmetros econômicos, um déficit de 170,47 bilhões de reais para os Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União (Governo Central). Também leva em conta expectativa do Executivo, baseadas em Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas Primárias do 1º Bimestre, de crescimento do PIB na ordem de 3,2%. Segundo o relator, a perspectiva relacionada ao PIB será “oportunamente avaliada” no decorrer da tramitação do projeto.

O relatório preliminar leva em conta previsão de trajetória ascendente da inflação, “o que já ensejou o recente aumento na taxa Selic”. O deputado explicou, no parecer, que aposta na melhora do cenário econômico.

“Neste relatório apresentamos a conjuntura macroeconômica, com foco no cenário econômico-fiscal, acreditando na recuperação da economia brasileira para 2022. Mas estamos atentos ao delicado cenário social que ainda perdura”, avaliou, no parecer.

Ainda assim, a estimativa de déficit não deixou de ser notada, e criticada, por integrantes da CMO.

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), disse ter “grandes preocupações” com a meta fiscal, creditando a alta do dólar e da inflação ao resultado primário.

“Que vai haver déficit no ano que vem, isso é inevitável, o mercado já espera um déficit. Mas nós temos que cuidar para que esse déficit não vá para a estratosfera, não vá para as nuvens, porque, se não, nós estaremos passando ao mercado uma mensagem de irresponsabilidade com as contas públicas. Nós não podemos passar uma mensagem de que o Parlamento, a Comissão Mista de Orçamento não está nem aí para o déficit público”, afirmou.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6B0ZR-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.