Economia

CMO conclui votação do Orçamento de 2021, Congresso votará nesta 5ª

Reuters
Reuters
CMO conclui votação do Orçamento de 2021, Congresso votará nesta 5ª
Dívida bruta bate novo recorde em janeiro a despeito de superávit primário histórico

25 de março de 2021 - 15:02 - Atualizado em 25 de março de 2021 - 15:05

Por Maria Carolina Marcello

(Reuters) – A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional concluiu a votação do Orçamento para este ano, que deve ser analisado pelo Congresso Nacional ainda nesta quinta-feira.

O relator-geral da proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA), senador Marcio Bittar (MDB-AC), apresentou uma complementação de voto, alterando seu parecer final para remanejar recursos e responder a demandas de colegas, que apontavam o risco de paralisações de obras e atividades.

“O Orçamento que chegou às nossas mãos … é um orçamento que impede ações do Ministério da Infraestrutura, do MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional)”, disse o relator, na reunião desta quinta-feira, citando Programa de Água no Nordeste e Transposição do Rio São Francisco.

“O Ministério da Economia ficou de mandar para esta Comissão a solução de onde tirar o recurso, mas não a enviou. E nós –no dever, como brasileiros, de ajudar o governo, para ajudar o Brasil– é que participamos ativamente na solução de onde tirar o recurso que estamos hoje aprovando, para que esses ministérios tenham o seu orçamento recomposto, e obras tão fundamentais para o Brasil não sejam paralisadas”, argumentou.

Já há sessões do Congresso convocadas para a tarde desta quinta-feira para a votação da LOA. Por conta da pandemia, serão realizadas duas sessões remotas: às 15h, para os deputados, e às 18h para os senadores.

A proposta deveria ter sido votada pelo Congresso ainda no ano passado. O atraso trouxe sérias restrições de gestão ao governo, com alguns órgãos apontando o risco de atrasos no pagamento dos salários de servidores

Enquanto o Orçamento não é aprovado, só podem ser realizadas despesas obrigatórias e de “caráter inadiável” até o limite de 1/12, a cada mês, do valor previsto para cada órgão no projeto orçamentário do ano. Além disso, o Congresso também fica impossibilitado de autorizar o descumprimento da regra de ouro, que proíbe o governo de se endividar para cobrir gastos correntes.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2O1J3-BASEIMAGE