Economia

China deve ter primeiro declínio populacional em cinco décadas, diz FT

Reuters
Reuters
China deve ter primeiro declínio populacional em cinco décadas, diz FT
Pessoas buscam filhos na escola em Pequim

28 de abril de 2021 - 08:44 - Atualizado em 28 de abril de 2021 - 08:45

PEQUIM (Reuters) – A China está prestes a anunciar seu primeiro declínio populacional em cinco décadas após um censo feito uma vez a cada 10 anos, noticiou o jornal Financial Times, citando fontes a par do assunto.

Uma redução populacional aumentará a pressão para Pequim adotar medidas para incentivar os casais a terem mais filhos e evitar um declínio irreversível.

A Agência Nacional de Estatísticas, que deve divulgar os resultados do censo realizado no final do ano passado no início de maio, não respondeu de imediato a um pedido de comentário da Reuters.

A cifra populacional é um tema muito delicado e não será publicada até que departamentos do governo cheguem a um consenso sobre os dados e suas implicações, acrescentou o FT na terça-feira citando suas fontes.

“Se a China confirmar tal declínio, seria uma grande coisa”, disse Zhiwei Zhang, economista-chefe da Pinpoint Asset Management em Shenzhen.

“O consenso acredita que a população da China terá um pico em 2027, com base na projeção feita pelas Nações Unidas. Isto seria muito antes do que o mercado e os formuladores de políticas esperavam.”

Não se deu nenhuma explicação para o adiamento do anúncio do resultado, mas a agência disse neste mês que mais trabalho preparatório é necessário.

Nos últimos meses, a mídia estatal chinesa disse que a população pode começar a encolher nos próximos anos. Em 2016, a China abandonou a política de filho único que durava décadas na esperança de aumentar o número de bebês, substituindo-a por uma política de dois filhos.

(Por Ryan Woo; reportagem adicional de Kevin Yao)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3R0R5-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.