Economia

China condena “supressão irracional” de empresas do país após lista negra dos EUA

Reuters
Reuters

11 de julho de 2021 - 14:48 - Atualizado em 11 de julho de 2021 - 14:48

XANGAI (Reuters) – A China afirmou neste domingo que “se opõe veementemente” ao acréscimo de 23 entidades chinesas a uma lista negra dos Estados Unidos por motivos que incluem supostas violações dos direitos humanos e laços com estruturas militares.

O Ministério do Comércio disse em comunicado que a inclusão das entidades chinesas é uma “grave violação das regras econômicas e comerciais internacionais” e uma “supressão irracional” das empresas do país.

Pequim “tomará as medidas necessárias para salvaguardar os direitos e interesses legítimos da China”, disse o órgão, citando um porta-voz.

O Departamento de Comércio dos EUA disse na sexta-feira que acrescentou 14 empresas e outras entidades à sua lista negra econômica, dizendo que elas foram “implicadas em violações dos direitos humanos e abusos na implementação da campanha de repressão, detenção em massa e vigilância de alta tecnologia da China contra uigures, cazaques e outros membros de grupos minoritários muçulmanos na região autônoma uigur de Xinjiang”.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.