Economia

Carga de energia mantém vigor em abril, mas Covid afeta projeções futuras

Reuters
Reuters
Carga de energia mantém vigor em abril, mas Covid afeta projeções futuras
Parque de energia solar na Califórnia

26 de março de 2021 - 15:09 - Atualizado em 26 de março de 2021 - 15:10

SÃO PAULO (Reuters) – A carga de energia do sistema interligado do Brasil deve manter o vigor no próximo mês, crescendo com força ante abril passado, quando o país começou a sofrer impactos da pandemia, mas projeções de mais longo prazo já mostram alguma redução na demanda neste ano e nos próximos devido ao coronavírus.

Beneficiada por uma base de comparação fraca, a previsão para a carga de energia em abril aponta salto de 15,7% ano a ano, segundo boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira.

Os números, por outro lado, representariam queda de 1,4% ante a última estimativa do ONS para o desempenho neste mês.

Apesar de o ONS ver uma demanda ainda forte no curto prazo, o órgão e outras entidades técnicas do setor como a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e a estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE) revisaram levemente para baixo projeções para os próximos anos.

Em revisão ordinária de seus números, os órgãos reduziram o crescimento esperado da carga em 2021 para 3,2%, enquanto cortaram também estimativas para 2022.

Antes, ONS, EPE e CCEE tinham projeção de alta de 3,4% neste ano e de 3,6% em 2022, cortada para 3,4%.

As previsões para 2023 e 2024 foram mantidas inalteradas, com avanço esperado de 3,6% em cada ano.

Mas houve redução nos números brutos de carga esperada para todos os anos no horizonte de análise. Com isso, o Brasil chegaria ao final de 2025 com uma demanda ainda 0,5% inferior à projetada antes.

Em 2020, afetada pela pandemia, a carga de energia do Brasil recuou 1,5%, segundo as entidades responsáveis pelos cálculos.

O desempenho acabou sendo melhor que o estimado em uma revisão anterior das projeções, de meados do ano passado, que apontava para recuo de 3% em 2020, com o auxílio-emergencial melhorando o desempenho da economia ante estimativas iniciais.

CURTO PRAZO

No curto prazo, a demanda segue com tendência de alta na comparação anual, com o ONS vendo salto de 15,8% na carga do Sudeste/Centro-Oeste em abril, mesmo com recente recrudescimento da pandemia no país, que registrou recordes de novos casos e mortes nesta semana e tem visto diversos Estados adotarem novas medidas de restrição.

O maior avanço percentual esperado é no Sul, onde a demanda poderia aumentar 17,9%, enquanto o Norte deve fechar o mês com alta de 16% e o Nordeste com a menor expansão, de 12,9%, apontou o ONS em boletim semanal.

Em abril de 2020, a carga de energia desabou quase 12% na comparação com o mesmo mês de 2019, sob impacto de medidas restritivas contra o vírus que fecharam o comércio e afetaram o desempenho de indústrias.

(Por Luciano Costa)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2P1N0-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.