Economia

Brasil tem condições de aprovar reforma tributária este ano, diz Guedes

Reuters
Reuters
Brasil tem condições de aprovar reforma tributária este ano, diz Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes

27 de maio de 2021 - 11:28 - Atualizado em 27 de maio de 2021 - 11:30

BRASÍLIA (Reuters) – O Brasil tem condições de aprovar uma reforma tributária ainda este ano, disse nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterando estar “relativamente otimista” com o andamento da proposta no Congresso.

“Reforma tem que acontecer em quatro, cinco meses, esse é o tempo que temos”, afirmou Guedes durante o evento Diálogo da Indústria”, promovido em Brasília por entidades do setor industrial.

Segundo o ministro, o que foi acertado com os presidentes da Câmara, Artur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), é que os deputados começarão analisando as mudanças no imposto de renda e sobre consumo, e os senadores tratarão do chamado “passaporte tributário”, que trata de contenciosos.

A expectativa é que essa primeira etapa de tramitação leve de “30 a 60 dias”, e depois os projetos avançariam para a outra Casa.

“Há uma boa perspectiva de nós fazermos uma reforma interessante relativamente rápido, ou seja, este ano ainda”, disse o ministro. “Acho que está progredindo bastante e os passos são todos muito razoáveis e na direção de que não vai ter susto para ninguém.”

Guedes disse que o governo quer reduzir em 5% o imposto de renda cobrado das empresas e afirmou que não vai mais brigar pela criação de um imposto sobre transações depois de o debate ter sido “interditado” no país.

Segundo o ministro, a proposta tributária em discussão no Congresso que foi descartada pelo governo propunha um fundo de compensação a Estados e municípios que tiraria meio trilhão de reais da União, o que o ministro disse considerar “ridículo”.

Outro impasse, segundo Guedes, é que a proposta propunha um Imposto sobre Valor Adicionado amplo, que abarcasse também os tributos sobre consumo de Estados e municípios, com uma alíquota de 26%, considerada elevada pela equipe econômica. “O comércio não aguenta”, disse o ministro.

Ele reiterou que a proposta do governo é de criação de um IVA “dual”, que comece agregando os tributos federais sobre consumo, mas depois possa incorporar também impostos estaduais e municipais.

(Por Isabel Versiani)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4Q0Z1-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.