Economia

Brasil fecha o trimestre com marca histórica de 14,8 milhões de desempregados, diz IBGE

O nível de desemprego bateu recorde e registrou a maior taxa de desocupação da série histórica da Pnad

Pablo
Pablo Mendes com informações do R7, com supervisão de Guilherme Becker
Brasil fecha o trimestre com marca histórica de 14,8 milhões de desempregados, diz IBGE
(Foto: Amanda Perobelli/Reuters )

30 de junho de 2021 - 09:46 - Atualizado em 30 de junho de 2021 - 10:51

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,7% nos três primeiros meses deste ano, é o que informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira (30). Esse dado mostra que o desemprego aumentou em 0,4 ponto percentual. Segundo o instituto essa porcentagem equivale a 14,8 milhões de brasileiros fora do mercado de trabalho.

De acordo com informações do portal R7, com o resultado, o nível de desemprego bateu recorde e registrou a maior taxa de desocupação da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), pesquisa que começou a ser divulgada em 2012. No recorde anterior eram 14,7 milhões desempregados.

Entre os meses de fevereiro e abril, a maior parte dos indicadores permaneceram estáveis se compararmos com o trimestre anterior. Nesse período, somente os trabalhadores informais, aqueles que trabalham por conta própria, cresceram 2,3% (+537 mil), totalizando 24 milhões.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5T0QA-BASEIMAGE

Já no setor privado os trabalhadores com carteira assinada ficaram estáveis em 29,6 milhões no trimestre; os empregados informais do setor privado também mantiveram o mesmo nível, em 9,8 milhões, na mesma base de comparação.

Os trabalhadores domésticos foram estimados em cinco milhões de pessoas, isso corresponde a uma redução de 10,4% (572 mil) em um ano. Os empregados do setor público, por sua vez, ficaram estáveis em 11,8 milhões.