Economia

Biden seguirá com plano de infraestrutura mesmo sem apoio republicano, diz secretária de Energia

Reuters
Reuters

4 de abril de 2021 - 15:36 - Atualizado em 4 de abril de 2021 - 15:36

Por Katanga Johnson e Doina Chiacu

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está disposto a levar adiante seu plano de infraestrutura no valor de 2 trilhões de dólares mesmo sem o apoio dos parlamentares republicanos, caso não consiga chegar a um acordo bipartidário, disse a secretária de Energia dos EUA, Jennifer Granholm, neste domingo.

Granholm disse que Biden prefere que seu plano tenha o apoio dos republicanos, mas que, caso isso não ocorra, provavelmente fará uso de um dispositivo legislativo, conhecido como “reconciliação”, para permitir que os democratas aprovem o projeto no Senado.

“Como ele disse, ele foi enviado à Presidência para fazer um trabalho pela América. E se a grande maioria dos americanos, democratas e republicanos, em todo o país, apoiar os gastos em nosso país e não nos permitir perder a corrida global, ele seguirá adiante”, disse Granholm à CNN.

A ferramenta da “reconciliação” permite a aprovação de projetos orçamentários no Senado por maioria simples, que atualmente os democratas possuem, em vez de uma maioria qualificada normalmente necessária.

Atualmente, a maioria dos norte-americanos apoia o plano do presidente democrata, disse Granholm — uma de várias autoridades de primeiro escalão do governo Biden que promoveram o plano de infraestrutura em noticiários deste domingo.

Desde que assumiu o cargo em janeiro, o presidente democrata disse repetidas vezes que deseja trabalhar com os republicanos.

No entanto, o plano de infraestrutura –sua segunda grande iniciativa legislativa– dificilmente deve atrair mais apoio bipartidário do que o primeiro, um pacote de alívio contra a Covid-19 de 1,9 trilhão de dólares que foi aprovado apenas com apoio democrata no mês passado, usando a ferramenta da “reconciliação”.

O líder republicano do Senado, Mitch McConnell, disse na semana passada que o plano de infraestrutura de Biden era “ousado e audacioso”, mas que aumentaria os impostos e a dívida. Ele prometeu lutar contra o projeto.

O senador republicano Roy Blunt pediu ao governo neste domingo que reduza o plano, se concentrando no básico.

“Se olharmos para estradas, pontes, portos e aeroportos, e talvez até sistemas de água subterrânea e banda larga, você ainda estaria falando sobre menos de 30% de todo este pacote”, disse Blunt à Fox.

O senador disse acreditar que um plano menos ambicioso, de cerca de 615 bilhões de dólares, seria mais palatável para ser votado pelos seus colegas republicanos no Congresso.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.