Economia

BC vê pressão na inflação como temporária, mas está vigilante, diz diretora

Reuters
Reuters
BC vê pressão na inflação como temporária, mas está vigilante, diz diretora
Sede do Banco Central, em Brasília (DF)

13 de outubro de 2020 - 13:43 - Atualizado em 13 de outubro de 2020 - 13:45

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – A diretora de Assuntos Internacionais do Banco Central, Fernanda Nechio, avaliou nesta terça-feira que as pressões atuais sobre a inflação são temporárias e devem se dissipar ao longo do tempo, mas frisou que a autoridade monetária segue vigilante.

“Da nossa perspectiva e pelo que estamos vendo agora, tanto as leituras de inflação quanto as expectativas de inflação estão abaixo das metas em 2020, 2021 e 2022”, afirmou ela em participação na sessão “Macro Conversations”, no âmbito das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI).

A diretora ressaltou que é para esse quadro que a autoridade monetária olha ao tomar sua decisão de política monetária. Ao mesmo tempo, ela ressaltou que o BC segue atento ao tema. A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) acontece nos dias 27 e 28 deste mês.

“Ainda que estejamos vendo as leituras de inflação agora como temporárias, permanecemos muito vigilantes. Esse é um Banco Central com regime de metas para a inflação, então levamos isso muito a sério e olhamos para várias medidas de inflação e expectativas de inflação”, afirmou ela, em debate que foi transmitido pelo UBS.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve em setembro a maior alta para o mês desde 2003, de 0,64%, pressionado pelo aumento dos preços de alimentos. No acumulado em 12 meses, o IPCA chegou a 3,14%, frente a 2,44% nos 12 meses até agosto, mas ainda abaixo da meta do Banco Central para 2020, que é de 4%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Nechio avaliou que os desenvolvimentos recentes ligados à inflação estão muito ligados à dinâmica da recuperação econômica no país, que não é uniforme e é concentrada em alguns setores, citando o aumento nos preços da construção e em alimentos em meio à recomposição de renda provida por programas do governo.

Sobre o aumento do dólar frente ao real, ela reconheceu uma “massiva depreciação” em moedas emergentes, mas disse que a visão do BC é de que o repasse cambial para a inflação, ainda que esteja acontecendo no momento, não é poderoso como seria se a economia não estivesse mergulhada em recessão.

Nechio também reiterou nesta terça-feira que a manutenção do regime fiscal é chave para o país conseguir crescer de maneira sustentável, sendo também uma das condições para a orientação futura (“forward guidance”) do BC de que não reduzirá o estímulo monetário. A Selic está hoje em sua mínima histórica de 2% ao ano.

A diretora acrescentou que a outra perna para o “forward guidance” seguir de pé é a ancoragem das expectativas de inflação.

Nechio ponderou, em relação à recuperação econômica, que o setor de serviços ainda está para trás, já que requer a mobilidade social voltando a níveis normais. Ela também afirmou que há ainda muita incerteza no horizonte, incluindo a possibilidade de uma segunda onda de contágio pelo coronavírus.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9C1FG-BASEIMAGE