Economia

BC do Japão reduz projeções para economia mas indica pausa na política monetária

Reuters
Reuters
BC do Japão reduz projeções para economia mas indica pausa na política monetária
Presidente do BC do Japão, Haruhiko Kuroda

29 de outubro de 2020 - 07:34 - Atualizado em 29 de outubro de 2020 - 07:35

Por Leika Kihara e Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) – O banco central do Japão reduziu nesta quinta-feira suas estimativas para a economia e a inflação no atual ano fiscal, mas ofereceu uma visão mais positiva sobre as perspectivas de recuperação, sinalizando que adotou estímulo suficiente por enquanto.

O Banco do Japão, entretanto, alertou que a perspectiva é altamente incerta já que a pandemia pesa sobre os gastos no setor de serviços e o ressurgimento das infecções na Europa afetam as perspectivas para uma recuperação global sustentada.

O presidente do banco central, Haruhiko Kuroda, disse que o banco está pronto para prorrogar o prazo de março de 2021 de seu programa de resposta à crise para ajudar as empresas em dificuldades, e adotar medidas adicionais de afrouxamento monetário se necessário.

“Vamos prorrogar o prazo, se considerarmos necessário e apropriado”, disse ele em entrevista sem esclarecer quando o Banco do Japão tomará essa decisão.

“Também há bastante espaço para expandir a escala de afrouxamento para cada elemento de nosso programa de resposta à crise”, completou.

Como esperado, o banco central manteve a política monetária, incluindo a meta de -0,1% para a taxa de juros de curto prazo e a promessa de guiar os juros de longo prazo em torno de 0%.

O Banco do Japão também não alterou o pacote de medidas com o objetivo de aliviar os apertos de financiamento corporativo, que se tornou sua principal ferramenta para lidar com a economia afetada pela pandemia.

Em relatório trimestral, o Banco do Japão piorou a previsão para a economia no atual ano fiscal que termina em março de 2021 a uma contração de 5,5% contra queda de 4,7% projetada em julho, refletindo os gastos fracos em serviços durante o verão.

Também diminuiu a perspectiva para o núcleo dos preços ao consumidor a uma queda de 0,6% ante recuo de 0,5% visto em julho.

Entretanto, revisou a previsão para o próximo ano fiscal para uma alta de 3,6%, contra 3,3% em julho.

O banco central também melhorou sua avaliação sobre as exportações e produção, dizendo que elas estão “aumentando”. Em julho, a visão era de que elas estavam caindo com força.

“A economia do Japão deve melhorar como tendência conforme o impacto da pandemia de coronavírus enfraquece gradualmente, embora o ritmo da recuperação vá ser moderado”, apontou o relatório.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9S0WF-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.