Economia

BC considerou acelerar alta de juros em reunião na semana passada

Reuters
Reuters
BC considerou acelerar alta de juros em reunião na semana passada
Prédio do Banco Central em Brasília

22 de junho de 2021 - 09:32 - Atualizado em 22 de junho de 2021 - 09:35

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) – O Comitê de Política Monetária (Copom) avaliou a possibilidade de acelerar a alta dos juros em sua reunião da semana passada em meio a uma inflação persistente, mas entendeu que seria mais adequado manter o ritmo de aperto de 0,75 ponto percentual, com a indicação de um possível aumento maior no encontro seguinte, em agosto, mostrou a ata da reunião divulgada nesta terça-feira.

O colegiado avaliou que essa estratégia teria a vantagem de dar mais tempo ao Copom para acumular informações sobre a evolução dos preços mais inerciais, em meio à recuperação do setor de serviços, e também sobre o comportamento das expectativas de inflação, mostrou o documento.

O Copom também chamou a atenção, nesse contexto, para a importância de “esclarecer a distinção entre transparência sobre as projeções condicionais e intenções invariantes de política monetária”.

O colegiado frisou que o compromisso “inequívoco” do BC é com a convergência da inflação para o horizonte relevante e que os passos para se alcançar esse objetivo são ajustados de acordo com as informações que se tornam disponíveis.

“Desse modo, indicações sobre a trajetória futura dos juros, sejam para a próxima reunião ou para o patamar final, são elementos úteis para a compreensão da função de reação da política monetária”, disse o Copom na ata.

“As informações obtidas no período entre as reuniões do Copom modificam as hipóteses presentes no cenário básico e no balanço de risco, e naturalmente alteram a trajetória futura dos juros.”

O Copom levou a taxa Selic a 4,25% em reunião encerrada na última quarta-feira, na terceira alta consecutiva de 0,75 ponto, e indicou a intenção de levar os juros a patamar considerado neutro à frente –o que hoje equivale a cerca de 6,5%, segundo estimativa recente do próprio BC. O colegiado também previu uma elevação de 0,75 ponto para agosto, mas ressaltando que o aperto pode ser maior em caso de deterioração das expectativas.

“Acho que a mensagem que sai dessa ata é o Banco Central entende que agora ele vai ter que realmente levar (a taxa Selic) para 6,5% e que talvez tenha que fazer isso até de forma mais rápida caso as projeções de inflação continuem subindo”, disse Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

RISCO FISCAL

Na ata, o BC afirmou que, apesar de seu cenário básico apontar para uma inflação alinhada com a meta de 2022 –que é de 3,5%–, os riscos fiscais do país impõem um viés de alta para essas projeções, o que deve exigir um aperto maior.

O Copom notou que, apesar de uma melhora recente nos indicadores de sustentabilidade da dívida, o risco fiscal segue elevado e novos prolongamentos de políticas de resposta à pandemia podem elevar os prêmios de risco do país.

“Essa assimetria no balanço de riscos afeta o grau apropriado de estímulo monetário, justificando assim uma trajetória para a política monetária menos estimulativa do que a utilizada no cenário básico”, afirmou o BC.

O cenário básico do Copom considera a trajetória de juros prevista pelo mercado no relatório Focus, que aponta para uma Selic de 6,25% ao final deste ano e de 6,5% em 2022.

A expectativa de inflação do mercado para o próximo ano –horizonte em que está focada a política monetária– está em 3,78%. Para este ano, em que a meta central é de 3,75%, as expectativas já estão em 5,90%. Nos dois períodos a meta tem uma margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos.

(Com reportagem adicional de Luana Maria Benedito)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5L0JM-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.