Economia

Barclays mantém recomendação “overweight” para crédito soberano brasileiro apesar de “volatilidade política”

Reuters
Reuters
Barclays mantém recomendação “overweight” para crédito soberano brasileiro apesar de “volatilidade política”
REUTERS/Bruno Domingos

22 de fevereiro de 2021 - 19:00 - Atualizado em 22 de fevereiro de 2021 - 19:05

SÃO PAULO (Reuters) – O Barclays segue com recomendação “overweight” para o crédito soberano brasileiro, vendo preços atrativos e oportunidade de entrada após a reação do mercado à indicação de troca de comando na Petrobras.

“Embora reconheçamos que a volatilidade política voltou a aumentar, com implicações adversas para o mercado, acreditamos que o crédito no Brasil deve ficar ancorado em seus fundamentos”, disse em nota Sebastian Vargas, da área de estratégia de crédito soberano para a América Latina.

“Nesse sentido, destacamos que a recente descompressão do spread brasileiro levou a valuations semelhantes aos do quarto trimestre de 2020, quando os riscos fiscais eram especialmente elevados.”

Vargas disse não acreditar que uma substituição do presidente da Petrobras vá afetar, direta ou indiretamente, o progresso no cenário fiscal feito nos últimos meses, já que, em sua visão, o risco de cenários mais preocupantes nessa frente está menor do que no último trimestre de 2020.

“Devido a valuations atrativos, reiteramos nossa recomendação ‘Overweight’ para o crédito soberano do Brasil”, disse, considerando que a curva entre vencimentos de cinco e dez anos está “relativamente inclinada”, refletindo preços baixos no vértice de dez anos.

“Portanto, recomendamos comprar futuros para 2028, 2029 e 2030.”

O CDS de cinco anos do Brasil –uma referência para o custo de proteção contra um calote da dívida brasileira– disparou 20,52 pontos-base nesta segunda-feira, para 181,58 pontos-base –maior alta desde setembro do ano passado, para o maior patamar desde novembro. O dia foi de forte tensão nos mercados brasileiros, em meio a temores do mercado de ingerência política e de efeitos sobre a agenda econômica.

(Por José de Castro)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1L1FZ-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.