Economia

Argentina e México atrasam reunião da diretoria do BID para escolha de novos vice-presidentes

Reuters
Reuters

29 de outubro de 2020 - 19:10 - Atualizado em 29 de outubro de 2020 - 19:10

Por Andrea Shalal e Dave Graham

WASHINGTON/CIDADE DO MÉXICO (Reuters) – México e Argentina pressionaram para adiar uma importante reunião do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para depois das eleições presidenciais de 3 de novembro nos Estados Unidos, postergando os planos do novo presidente do BID de instalar sua lista de vice-presidentes de países menores.

A reunião de quarta-feira do conselho de 14 membros do BID foi adiada abruptamente a pedido da Argentina e do México, informou a assessoria de imprensa do BID, acrescentando que a maioria do conselho apoiou os três indicados de Honduras, Equador e Paraguai.

Nenhuma nova data foi publicada no site do banco.

México e Argentina querem esperar até depois das eleições norte-americanas para votarem, com base no fato de que o apoio ao presidente do BID, Mauricio Claver-Carone, o primeiro cidadão dos EUA a chefiar a instituição credora regional, pode desaparecer se o presidente dos EUA, Donald Trump, perder a disputa à reeleição, disse uma autoridade familiarizada com o assunto.

O candidato democrata à presidência, Joe Biden, que lidera as pesquisas eleitorais nacionais contra Trump, se opôs à indicação de Claver-Carone por Trump, e fontes próximas ao ex-vice-presidente dizem que ele poderia tentar destituir Claver-Carone do posto se eleito. Os Estados Unidos são o maior acionista do banco.

Não está claro se Argentina e México buscarão adiar a votação das indicações para depois de 20 de janeiro, quando o próximo presidente será empossado.

Os dois países também se opuseram à candidatura de Claver-Carone, ex-conselheiro de Trump, eleito para a principal instituição financeira da América Latina no mês passado.

Claver-Carone nomeou Reina Irene Mejia, executiva-chefe do Citi de Honduras, para o segundo cargo do BID, junto com o ex-ministro das Finanças do Paraguai Benigno Lopez para servir como vice-presidente de setores, e Richard Martinez, ex-ministro da Fazenda do Equador, como vice-presidente de países, de acordo com fontes familiarizadas com os planos.

Nenhum comentário imediato de Claver-Carone foi emitido. De acordo com o Jornal “La Nacion”, ele teria mencionado que apenas o México e a Argentina queriam atrasar a votação, e a instituição deve se concentrar em seu papel principal de instituição credora.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.