Economia

Argentina busca acordo com FMI “apenas” para pagar US$44 bi de programa anterior, diz representante do país

Reuters
Reuters
Argentina busca acordo com FMI “apenas” para pagar US bi de programa anterior, diz representante do país
(Blank Headline Received)

27 de agosto de 2020 - 13:00 - Atualizado em 27 de agosto de 2020 - 13:05

Por Hugh Bronstein

BUENOS AIRES (Reuters) – A Argentina busca concretizar um novo programa com o Fundo Monetário Internacional (FMI) com o único objetivo de devolver os quase 44 bilhões de dólares que recebeu da entidade durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri, disse nesta quinta-feira o diretor executivo do organismo para o Cone Sul.

Em 2018, Macri negociou com o FMI um contrato de crédito no valor de 57 bilhões de dólares como parte de um plano fracassado para deter o colapso do peso argentino e evitar um novo calote da dívida.

A Argentina recebeu 44 bilhões de dólares desse acordo antes que o atual governo do presidente Alberto Fernández, que assumiu o cargo em dezembro do ano passado, cancelasse o programa.

“A intenção da Argentina é buscar financiamento do FMI com o único propósito de pagar integralmente os 44 bilhões de dólares que ainda são devidos ao Fundo”, disse Sergio Chodos, diretor executivo do FMI para o Cone Sul e representante argentino na entidade.

Enquanto isso, o país sul-americano espera conseguir fechar nesta semana a reestruturação de cerca de 65 bilhões de dólares em dívida soberana em poder de credores externos.

A Argentina não deve buscar uma redução de dívida pelo FMI. Nas negociações com credores privados, estes concordaram em receber menos do que o prometido quando compraram títulos da Argentina, que afirma não poder honrar esses compromissos integralmente sem piorar sua já abalada economia.

Na quarta-feira, o Ministério da Economia disse em nota que Fernández comentou em conversa com a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, “que o futuro programa entre Argentina e FMI respeita os objetivos de recuperação econômica e resolve os problemas sociais mais urgentes”.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG7Q1GA-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.