Economia

Ações de varejistas sobem após vendas melhores do comércio brasileiro em abril

Reuters
Reuters
Ações de varejistas sobem após vendas melhores do comércio brasileiro em abril
Bolsa de valores de São Paulo

8 de junho de 2021 - 15:59 - Atualizado em 8 de junho de 2021 - 16:01

(Reuters) – Ações de varejistas mostravam forte desempenho na bolsa paulista nesta terça-feira, após dados mostrando que as vendas no comércio brasileiro cresceram bem mais do que o esperado em abril e tiveram maior alta em 21 anos para o mês, mesmo em meio às restrições rigorosas ainda impostas pela Covid-19.

Em abril, as vendas no varejo apresentaram alta de 1,8% na comparação com o mês anterior, depois de queda de 1,1% em março, registrando o maior ganho para o mês desde 2000, segundo os dados do IBGE divulgados mais cedo, com o desempenho voltando a ficar acima do nível pré-pandemia.

O chefe de pesquisa econômica do Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos, destacou que as vendas contraíram no primeiro trimestre por causa da pausa no auxílio emergencial, aceleração da inflação e novas restrições de mobilidade e atividade em razão da intensificação da pandemia de Covid.

“Com maior mobilidade e transferências fiscais renovadas, esperamos que o setor de varejo se recupere no segundo trimestre e se expanda ainda mais no segundo semestre, em conjunto com o progresso do programa de vacinação da Covid, a reabertura gradual da economia e o estímulo fiscal renovado.”

Na B3, por volta de 11:50, Via Varejo ON e Magazine Luiza ON figuravam na ponta positiva do Ibovespa, com acréscimos de 3% e 2,45%, respectivamente. Lojas Americanas, B2W, Lojas Renner também avançavam, contra queda de 0,3% do Ibovespa.

Entre os papéis que fazem parte do índice Small Caps, Lojas Marisa ON disparava 7,4%, enquanto Petz ON valorizava-se 4%, Arezzo ON avançava 2,65%, Guararapes ON tinha alta de 2,55% e C&A ON subia 1,4%.

O estrategista-chefe do banco digital modalmais, Felipe Sichel, acrescentou que o mês de abril foi marcado pelo início da reabertura da economia após as restrições impostas em março e pelo retorno do auxílio emergencial, fatores determinantes para a recuperação.

“Após uma surpresa positiva com a atividade no primeiro trimestre, o volume de vendas no varejo indica uma retomada mais forte no segundo trimestre.”

(Por Paula Arend Laier)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5715L-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.