Notícias

Dólar renova mínima em um ano a R$4,96, mas se estabiliza após quedas expressivas

Reuters
Reuters

23 de junho de 2021 - 17:53 - Atualizado em 23 de junho de 2021 - 17:55

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar à vista oscilou entre ganhos e perdas ao longo da sessão e acabou fechando perto da estabilidade nesta quarta-feira, ainda abaixo de 5 reais e em uma nova mínima em pouco mais de um ano, com o mercado dando uma pausa na sequência de baixas acentuadas à espera de novos catalisadores.

Investidores mantiveram as atenções no noticiário sobre a inflação nos Estados Unidos e seus potenciais efeitos sobre a política monetária norte-americana, um dia depois de o chair do banco central dos EUA, Jerome Powell, tranquilizar agentes financeiros ao reafirmar ausência de pressa para subir os juros.

Na quinta-feira, será divulgada a terceira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, e um dado acima do esperado pode voltar a deixar investidores nervosos acerca do momento de elevação de juros nos EUA.

O dólar spot teve variação negativa de 0,05%, a 4,9638 reais na venda –menor nível desde 10 de junho de 2020 (4,9398 reais).

A moeda vinha de duas quedas expressivas: de 1,12% na terça e de 0,96% na segunda-feira.

A cotação trocou de sinal várias vezes nesta quarta, oscilando de 4,9809 reais (+0,30%) e 4,9378 reais (-0,57%).

Lá fora, o índice do dólar tinha alta de 0,1% no fim da tarde, após oscilar entre ganho de 0,2% e perda de também 0,2%.

Desde a máxima do ano –de 5,7927 reais, alcançada em 9 de março–, o dólar acumula queda de 14,3%. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta que a moeda deverá cair “bem mais”.

Mas, rompido o suporte de 5 reais, alguns no mercado questionam se já não seria o momento de recompor posições compradas em dólar.

Para Vitor Péricles, estrategista-chefe da Laic Asset Management, o Banco Central está e vai continuar atrás da curva a respeito de inflação, enquanto nos EUA a narrativa deve mudar para se ajustar a um cenário de alta persistente dos preços.

Na quinta-feira, o Banco Central divulgará o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que pode avançar na discussão da autoridade monetária sobre as perspectivas para os preços e, consequentemente, para a política monetária.

“(O ano de) 2022 será um ano desafiador em termos políticos e de atividade, e a volatilidade da moeda, e dos fundamentos, deve aumentar”, disse o estrategista. “Levando tudo isso em consideração, também acho ainda que o exportador seguirá contratando pouco câmbio, a despeito de eventuais bons saldos comerciais.”

(Edição de Maria Pia Palermo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.