Notícias

Paraná é líder em doação de órgãos para transplante no Brasil

Entre 2011 e 2018 foram realizados 9.206 transplantes de órgãos e córneas dentro do estado

Caroline
Caroline Berticelli / Editora
Paraná é líder em doação de órgãos para transplante no Brasil
Em 2019 também foi registrado o menor índice de recusa para doar órgãos. (Foto: USP/Imagens)

27 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 27 de setembro de 2019 - 00:00

Entre 2011 e 2018 foram realizados 9.206 transplantes de órgãos e córneas dentro do Paraná, enquanto só nos primeiros oito meses de 2019, já foram realizados 1.147. Esses números fazem do estado o líder nacional em doação de órgãos para transplante. 

A média nacional de doações de órgãos é de 17 pmp (partes por milhão da população), enquanto o Paraná fechou o primeiro semestre deste ano com 41,1 pmp. O salto estadual entre 2010 e 2018 foi de 600%: o Estado tinha 6,8 doadores pmp no começo da década e atingiu 47,7 pmp no ano passado, liderando o ranking de doações no país.

O Paraná também liderou o ranking de transplante de órgãos (outro parâmetro de dados) em 2017 e 2018, com 81,5 pmp e 90,9 pmp, respectivamente. A média nacional é de 41,9 pmp. O Estado foi o campeão no transplante de fígado e de rim no último ano.

Doações de órgãos no Paraná em 2019 e 2018

Nos primeiros meses deste ano, foram registrados 313 doadores efetivos, 495 órgãos e 581 córneas de doadores falecidos e 71 órgãos de doadores vivos, somando 1.147 transplantes realizados. Entre 2011 e 2018, o Paraná somou 1.530 doadores efetivos, sendo transplantados 3.710 órgãos e 5.496 córneas. No último ano foram 540 doadores efetivos, 949 órgãos e 839 córneas de doadores falecidos, e 91 órgãos de doadores vivos, totalizando 1.879 transplantes.

Mais de 2 mil pessoas esperam doação de órgãos no Paraná

Com mais de dois mil paranaenses aguardando uma doação, o estado registra neste ano o menor índice de recusas familiares em entrevistas para doação de órgãos no País, com apenas 24% que não aceitaram doar algum tipo de órgão de algum parente.

“Uma única pessoa doadora pode salvar até dez vidas. Possuímos cinco vezes mais chances de precisar de um órgão do que efetivamente conseguir um doador”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “Falar sobre doação, comunicar os familiares sobre esse desejo, é um ato de amor ao próximo. O Governo do Estado está comprometido com a população paranaense em se manter líder no ranking de transplantes”, ressalta ele.

Estrutura adequada faz parte do sucesso da doação de ´órgãos no estado

O Paraná conta com uma Central Estadual de Transplantes responsável pela área administrativa e plantão, localizada em Curitiba, além de quatro Organizações de Procura de Órgãos (OPO’s), na Capital, Londrina, Maringá e Cascavel. Estes centros trabalham na orientação e capacitação das equipes distribuídas em 67 hospitais do Paraná, que mantêm Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT). Ao todo são cerca de 700 profissionais envolvidos, entre eles 23 equipes de transplante de órgãos, 25 centros transplantadores de córneas e três bancos de córneas em atividade – Londrina, Maringá e Cascavel.

Além disso, as cinco aeronaves à disposição do governo são usadas para o transporte de órgãos.A operação é fundamental porque entre o momento de retirada do órgão e/ou tecido há um intervalo de isquemia (entre a retirada do doador até o transplante no receptor): com relação às córneas, o tecido pode ficar até 14 dias entre um espaço e outro; rins, 36h; fígados, 12h; pulmões, entre 4h e 6h; e, o coração, 4h.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.