Notícias

Disputa de facções aterroriza moradores e deixa mortos no Rio

Reuters
Reuters Por Rodrigo Viga Gaier
Disputa de facções aterroriza moradores e deixa mortos no Rio
.

27 de agosto de 2020 - 19:03 - Atualizado em 27 de agosto de 2020 - 19:59

Uma guerra com mais de 24 horas de duração entre facções rivais que disputam o controle de favelas do Rio de Janeiro deixou ao menos dois mortos e aterrorizou moradores que ficaram no meio de trocas de tiros e foram feitos reféns dentro de suas casas, informou a polícia nesta quinta-feira.

A disputa acontece na região do complexo de São Carlos, entre o Centro e a zona Norte da cidade, a poucos metros da sede administrativa da prefeitura e da famosa Marquês de Sapucaí, que recebe os desfiles das escolas de samba do Carnaval carioca.

O clima de tensão começou na quarta-feira (26), quando houve uma perseguição da polícia a suspeitos no bairro da Lagoa, na zona Sul da cidade, no momento em que membros de uma facção estavam se deslocamento para a invasão ao complexo de São Carlos, dominado por outro grupo, segundo a polícia. Houve troca de tiros em plena luz do dia e dois criminosos foram presos.

A tentativa de invasão ao complexo de São Carlos começou pouco depois, provocando intensos tiroteios. Uma mulher de 25 anos morreu ao ficar no meio do fogo cruzado com o filho de 3 anos.

Durante a madrugada, suspeitos em fuga tentaram invadir um condomínio residencial na região, mas foram surpreendidos por policiais e um suspeito morreu. Outro homem conseguiu acessar um prédio após atirar no porteiro, e manteve por algumas horas uma família como refém até se render para a polícia depois de uma longa negociação.

Um outro morador da região teve a casa invadida por suspeitos na tarde desta quinta-feira, mas os invasores também acabaram se entregando para a polícia.

Veja alguns vídeos da disputa de bandidos no Rio de Janeiro

Guerra entre criminosos no Rio de Janeiro

“O Rio tem mais de 1.400 comunidades e quatro facções disputam palmo a palmo esses locais com armas de guerra… A área do complexo está reforçada e com patrulhamento dentro e fora do complexo”, disse a jornalistas o porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess.

A guerra entre criminosos rivais acontece após decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que limitaram e regulamentaram as operações da polícia em favelas e comunidade carentes do Rio de Janeiro durante a pandemia de coronavírus.

Agora as intervenções só podem ser feitas se justificadas e consideradas essenciais. O uso de helicópteros também foi limitado. As medidas desagradam a polícia fluminense, que entende que as restrições fortalecem o poderio do crime organizado.

“A segurança pública é nossa prioridade, mas por determinação judicial, a atuação das polícias do Estado está limitada no Rio”, disse o governador Wilson Witzel em uma rede social.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.