Agronegócio

Dia Mundial da Alimentação: engenharias contribuem com avanços

Engenheiros Agrônomos, Agrícolas, de Alimentos, Produção e Pesca ajudam o homem do campo a produzir mais alimentos de forma sustentável

Lais
Lais Andrade

16 de outubro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 16 de outubro de 2019 - 00:00

Há uma década, éramos 1 bilhão de famintos no mundo, agora somos 795 milhões. Em contrapartida, dados da FAO (Food and Agriculture Organization), Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, mostram que ainda temos 1,9 milhão de obesos e 2 bilhões de desnutridos. É certo que os esforços para erradicação da fome e o combate à pobreza continuam, mas também é preciso comemorar avanços neste 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação. Afinal, o maior incremento do PIB (Produto Interno Bruto) vem do Agronegócio. Setor que depende da Engenharia para continuar crescendo. Engenheiros Agrônomos, Agrícolas, Ambientais, de Pesca, Produção, Alimentos, Mecânicos e Civis têm ajudado o homem do campo a produzir mais de forma sustentável, melhorando a quantidade e qualidade produzida. Um destaque no Paraná é o aumento na produção de alimentos orgânicos, que traz segurança alimentar e nutricional à população

Em 2008, o Governo Federal lançou um programa de Agricultura Urbana para melhorar a segurança alimentar no país. Foram implantados quase 40 projetos CAAUPs (Centros de Apoio à Agricultura Urbana e Periurbana) de incentivo ao uso de espaços urbanos e periurbanos ociosos por meio da agroecologia. No entanto, muitos não vingaram. Na região metropolitana de São Paulo, o trabalho esbarrou em obstáculos como a falta de área para plantar e a dificuldade em encontrar produtores interessados. 

Em Maringá, no interior do Paraná, a iniciativa de inclusão social e produtiva de famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica deu certo. O CerAUP (Centro de Referência em Agricultura Urbana e Periubana) começou em 2008 com quase 200 famílias compartilhando 7 hortas comunitárias em terrenos cedidos pela Prefeitura. Uma década depois, são 38 hortas comunitárias e mais de 1.055 famílias envolvidos. Para o coordenador do projeto na CerAUP/UEM, Engenheiro Agrônomo Ednaldo Michellon, a iniciativa trouxe alimentos saudáveis para a população, gerou renda e ajudou na socialização de pequenos produtores. Ainda segundo o professor, nas hortas comunitárias as culturas são produzidas sem o uso de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos

Projetos como o realizado no noroeste paranaense reforçam a tese de mudança de pensamento da população e mostram que o consumidor está cada vez mais exigente. Para a engenheira agrônoma Samireile Silvano Messias, Diretora de Agricultura da Prefeitura Municipal de Maringá (PMM), a produção brasileira está deixando de ser somente por quantidade, para ser por qualidade.

“Felizmente a procura tem sido por alimentos que nutrem, trazem bem-estar e conforto”, destaca Samireile. 

No Paraná, a busca por alimentos frescos orgânicos é crescente nas últimas décadas, e foi potencializada com as políticas públicas de apoio, como a criação da certificação pública da produção, por meio do programa Paraná Mais Orgânico – PMO, que está completando uma década neste ano, conforme salienta Michellon, que é membro do Comité Gestor do PMO. 

Por sua vez, os agricultores familiares conseguem competir de igual para igual com as grandes empresas. Há preocupação com a rastreabilidade dos produtos, responsabilização da produção e sanidade dos alimentos (sem uso de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos). No entanto, Samireile lamenta que os produtos saudáveis ainda sejam inacessíveis para a maior parte da população.

“Estão surgindo novas tecnologias que modernizam e barateiam a produção, mas ainda temos um cenário com um volume de produtos abaixo da necessidade. Precisamos de mais investimento do poder público e da iniciativa privada na produção de alimentação saudável, com menor impacto ao meio ambiente.” comenta a engenheira.

Ela complementa que faltam políticas públicas que melhorem a qualidade da produção e ajudem na distribuição desses alimentos

hortas comunitárias Prefeitura de Maringá

Só em Maringá, no noroeste do Paraná, já são 38 hortas comunitárias e mais de 1.055 famílias envolvidos. (FOTO: Prefeitura de Maringá)

O Engenheiro Agrônomo Paulo Milagres, do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural – Emater, lembra que os estudos de órgãos como a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e o Iapar (Instituto Agronômico do Paraná) triplicaram a capacidade produtiva das propriedades rurais paranaenses nos últimos anos.

“Temos que comemorar a quantidade de oferta de alimento no mundo, a tecnologia colocada no campo e o surgimento de novas técnicas, como a de plantio direto, adubação e irrigação”, diz o engenheiro.

Milagres também ressalta o fato de o Brasil ser um dos maiores fornecedores mundiais de alimento. “Abastecemos o mercado nacional e uma grande quantidade dos países da América do Sul, Europa e Ásia. Temos uma produção equilibrada e uma área produtiva invejável”, comemora.

Na vanguarda da produção de alimentos no Brasil, a Engenharia está presente em todos os processos produtivos. No campo, destacam-se os Engenheiros Agrônomos, Agrícolas e de Pesca. Nas indústrias, os Engenheiros de Produção e Alimentos. Engenheiros Mecânicos e Eletricistas desenvolvem equipamentos e processos automatizados que facilitam a vida do produtor rural. Se pensarmos no transporte alimentício, encontramos ainda os Engenheiros Civis, responsáveis pelas obras de infraestrutura de estradas e rodovias, por onde as safras são escoadas.  

Vale destacar que no atual cenário brasileiro, cerca de 30% da produção agrícola é perdida na lavoura e no transporte, o que demonstra a carência de investimentos nesta área. Também falta conscientização sobre o desperdício de alimentos. Dados da FAO da Organização das Nações Unidas indicam que as perdas atingem cerca de 30% do total produzido no planeta. Ou seja, o combate ao desperdício é um desafio para o País e o mundo nos próximos anos. 

canteiros de horta Prefeitura de Maringá

Da esquerda para direita, Aldevandro dos Santos, Zilda Moreira e Idalina Marcelino, têm canteiros na horta comunitária do Conjunto Guaiapó, em Maringá. (FOTO: Prefeitura de Maringá)

Aplicativo reduz desperdício de alimentos

O Paraná tem mais de 1.000 startups em funcionamento, segundo mapeamento inédito do Sebrae/PR. Os empreendimentos se concentram nas soluções de problemas em diversos setores, mas uma das iniciativas se preocupou com o desperdício de alimentos. O aplicativo Ecofood foi criado pelo estudante Raphael Koyama, com a proposta de reduzir o desperdício de alimentos nos restaurantes de Londrina, no norte do estado. Lançado em fevereiro deste ano, o app surgiu a partir de estudos que apontaram que 1/3 de todo o alimento do mundo é desperdiçado e que 800 milhões de pessoas passam fome. 

A plataforma conecta restaurantes e padarias com os consumidores, evitando que alimentos sejam descartados após o expediente. O alimento é vendido mais barato e parte do dinheiro é doado para um Banco de Alimentos de São Paulo. Em cinco meses, 16.500 refeições foram salvas em Londrina e mais de 2 mil quilos de alimentos foram doados para a ONG parceira.  Até agosto, o Ecofood estava presente em sete cidades do Paraná e Santa Catarina, com a parceria de 175 estabelecimentos. 

merenda Escolar Orgânica

Escolas estaduais do Paraná deverão ter merenda 100% orgânica até 2030. (FOTO: Joka Madruga)

Merenda escolar será 100% orgânica até 2030

No Paraná, os produtos orgânicos estão em destaque há alguns anos e o avanço mais recente foi a sanção da lei estadual 16.751/2010, a Lei dos Orgânicos. Assinada em setembro deste ano, a legislação determina alimentação 100% orgânica para as 2.146 escolas estaduais até 2030. Atualmente, de acordo com o Iapar, apenas 8% da alimentação escolar estadual é orgânica, sendo que 60% vêm da agricultura familiar. 

A implantação da medida ocorre após a construção do Plano de Introdução Progressiva de Produtos Orgânicos na Alimentação Escolar do Estado do Paraná, criado com participação de representantes de organizações da sociedade civil. Na assinatura do decreto de lei, houve o lançamento do programa estadual “Coopera Paraná”, de apoio ao cooperativismo da agricultura familiar paranaense. O Estado destinou R$ 30 milhões para apoiar projetos de cooperativas e associações da agricultura familiar. Segundo a Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento), o Paraná tem 175 cooperativas e 400 associações da agricultura familiar e da reforma agrária, que envolvem cerca de 57 mil famílias. 

Dia Mundial da Alimentação

Comemorado no dia 16 de outubro, o Dia Mundial da Alimentação é celebrado em mais de 150 países do mundo desde 1981, para alertar sobre a importância da alimentação saudável, acessível e de qualidade, denominada como “Segurança Alimentar e Nutricional”. A data, criada para lembrar a criação da FAO, da ONU, também destaca problemas associados à alimentação, como a fome, desnutrição e pobreza.

“Que a alimentação seja teu único remédio.” (Hipócrates)

SELO_RICMAIS_PUBLIS