Notícias

Design e sustentabilidade compõem primeira obra com certificação internacional, em Cascavel

Prédio que será inaugurado na segunda-feira (28) é o primeiro a ter certificação LEED nível Platinum no município

Aline
Aline Cristina / Repórter
Design e sustentabilidade compõem primeira obra com certificação internacional, em Cascavel
(

27 de junho de 2021 - 12:06 - Atualizado em 27 de junho de 2021 - 12:11

“A obra tem que ser um marco, um exemplo que existe de melhor na época e indicar um caminho a sociedade,” as palavras são do arquiteto Caio Smolarek, responsável pela obra do prédio da AMIC (Associação de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Paraná) que é a primeira construção de Cascavel reconhecida internacionalmente como construção verde. Esta é a segunda obra com a certificação LEED nível Platinium na região Oeste do Paraná.

Uma obra complexa que foi executada por profissionais da nossa região. Com o olhar na sustentabilidade o prédio é auto suficiente para se manter durante todo o ano com a energia que ele mesmo produz. O projeto foi construído e executado extraindo ao máximo os elementos a sua volta, como a água, vento e luz. Além disso, fatores climáticos da nossa região como o frio intenso e o verão com altas temperaturas foram pensadas como ponto máximo da obra.

“ Nós tivemos uma preocupação muito grande de resolver os problemas de sustentabilidade com o nosso clima. Então, por exemplo a estrutura da obra, ela foi feita em pré-moldado, que é uma tecnologia que nós temos muito difundida aqui na nossa região oeste. Todo o piso, ele foi feito com porcelanato, que também é um material que nós temos em abundância que praticamente todas as paredes são feitas em alvenaria de tijolo, que também são, é um material que nós temos aqui. Então, nesse ponto de vista, o projeto já foi pensado para diminuir ao máximo essa dificuldade de obra, porque nós sabíamos que pelo outro lado a gente teria um alto grau de complexidade na questão do dos brises que são aqueles elementos que estão na frente dos vidros pra barrar o nosso sol, que é muito forte no verão” 

Caio Smolarek – arquiteto responsável

Cascavel é uma cidade arquitetônica, e uma das preocupações do arquiteto foi compor todos os elementos técnicos dentro de um design que case com o município, levando em consideração o fator sustentabilidade e conforto. 

“Nós buscamos geometrias e materiais que são tradicionais da nossa região e que tem a cara de Cascavel e nós queríamos, então, fazer dessa edificação, uma homenagem utilizando a linguagem atual com a tradição da arquitetura em que que nós temos aqui, que no meu ponto de vista, é uma arquitetura rica, tradicionalmente falando”

Caio Smolarek – arquiteto responsável

Não há como falar de sustentabilidade, sem lembrar do verde, dos parques, das árvores e   jardins. Por isso, além de se preocupar com a auto suficiência da obra em si, o exterior precisou ser moldado para representar em vida o que está sólido. 

Uma obra de encher os olhos por seus traços, mas acima disso, o empreendimento precisou ser pensado no conforto comum para as pessoas que vão trabalhar e também frequentar o local, a organização de cada espaço foi analisada, calculada e executada.

“Nós colocamos todas as áreas que são áreas de infraestrutura da edificação, voltada para o Oeste, que é o sol da tarde. Os banheiros, copa, escadas, e coisas desse tipo, ficaram, então, pra essa fachada do sol da tarde. E elas criaram, então, uma barreira para toda a área de de estações de trabalho, que é uma fachada toda em vidro.”

Caio Smolarek – arquiteto responsável

Além de ser um marco para a cidade, a obra traz um novo viés, quando o assunto é o mercado de edifícios eficientes e inteligentes. É uma amostra que é possível planejar e executar uma obra dessa magnitude, aliando o projeto arquitetônico com o estrutural, equilibrando o ambiente interno e externo e levando consideração a questão ambiental, assim como explica Hallana Dallazen Ampolini, Arquiteta e Urbanista, e professora no curso Técnico em Edificações no CEEP, em Cascavel.

“Sua implantação comprova que é sim possível, planejar e executar uma obra, com um maior controle tecnológico de construção, aliado ao uso de tecnologias como o abastecimento fotovoltaico e o reaproveitamento de água da chuva. Entretanto, a certificação LEED não envolve somente o que a população geral tem acesso, que é os benefícios advindos da da edificação pronta. Há um controle de processos que a antecedem, onde o projeto arquitetônico e seus complementares como estrutural, elétrico e hidrossanitário que são elaborados e compatibilizados de forma simultânea. Todas as fases que envolvem uma construção são lapidadas e analisadas tanto pela equipe técnica que é autora do projeto, quanto pela comissão que analisa se o edifício, efetivamente se enquadra dentro dos critérios da certificação LEED” 

Hallana Dallazen Ampolini, Arquiteta e Urbanista, e professora no curso Técnico em Edificações no CEEP

O mercado imobiliário vem se desenvolvendo de forma sutil, mas perceptível, em Cascavel obras com preocupações sustentáveis começaram a se desenvolver em maior número de 10 anos para cá. A implantação de empresas com tecnologias sustentáveis no município alavancou a mudança de comportamento na execução de um projeto, que antes era de menor adesão pelos altos custos financeiros.

“ A população em geral já vem buscando os recursos de construções mais sustentáveis. Instalações de painéis fotovoltaicos e a reutilização das águas da chuva estão entre os sistemas que mais foram aplicados nas residências uni e multifamiliares na cidade. O próprio plano diretor da cidade, em sua última atualização, estabeleceu medidas que incentivam o uso inteligente dos recursos. Portanto, uma edificação pública que utiliza métodos autossuficientes só incentiva mais ainda que essa mudança de cultura na construção continue e a se expandir”

Hallana Dallazen Ampolini, Arquiteta e Urbanista, e professora no curso Técnico em Edificações no CEEP

Quesitos de sustentabilidade

No País, são 1.645 empreendimentos certificados LEED. Deste total, 65 são Platinum: 28 no Sul do Brasil, 18 no Paraná, sendo cinco em cidades do interior e, agora, dois na região Oeste do Estado. Este é o mais alto nível da certificação, que atesta sustentabilidade em edifícios no mundo.

O prédio da AMIC conta com geração de energia fotovoltaica e captação de água da chuva, geração de energia própria, automação completa do prédio, além do reuso de materiais de construção que foi feito em etapas previamente definidas, e materiais que diminuem o consumo de ar condicionado.  A economia de energia prevista é de 100%, o que equivale a uma economia anual de R$ 39.144,00, apenas em energia. 

A economia anual de água prevista é de 82%, o que equivale a R$ 8.957,00, além da redução da emissão de carbono em 100%. 

A obra teve 76,5% dos resíduos aproveitados, equivalente a 51 metros cúbicos. 

Inauguração

O prédio da AMIC PR (Associação de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Paraná) será inaugurado na próxima segunda-feira (28), às 8h30.

Devido às restrições em relação ao Coronavírus, será realizada uma cerimônia restrita com presença apenas de autoridades políticas de Cascavel, diretoria e funcionários da entidade e ex-presidentes da instituição, além de parceiros da AMIC PR, que completou 37 anos no último dia 25 de maio.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.