Notícias

Desenvolvedores de vacina russa Sputnik V rejeitam críticas da Anvisa

Reuters
Reuters
Desenvolvedores de vacina russa Sputnik V rejeitam críticas da Anvisa
Funcionários manuseiam carregamento da vacina contra Covid-19 Spitnik V em Caracas

27 de abril de 2021 - 15:38 - Atualizado em 27 de abril de 2021 - 15:41

MOSCOU (Reuters) – Os desenvolvedores da vacina russa contra Covid-19 Sputnik V rejeitaram as críticas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, dizendo nesta terça-feira que a recusa brasileira de aprovar a vacina para uso não tem justificativas científicas.

A diretoria da Anvisa votou de forma unânime contra um pedido de importação da vacina depois que técnicos alertaram para falhas em seu desenvolvimento, além dos dados incompletos a respeito da segurança e da eficácia da vacina.

Governadores brasileiros haviam pedido permissão para usar a Sputnik V no combate a uma segunda onda mortal do vírus.

Uma questão crucial para a Anvisa foi o risco de outros vírus usados para fabricar a vacina se reproduzirem nos pacientes, o que o diretor de medicamentos e produtos biológicos da agência, Gustavo Mendes, classificou com um defeito “grave”.

Denis Logunov, o principal desenvolvedor da Sputnik V, negou que os dois vetores virais, ou adenovírus, usados para produzir a vacina contra Covid-19 possam se duplicar.

Ele disse que cada remessa passou por verificações rigorosas tanto do Instituto Gamaleya quanto da agência reguladora de saúde da Rússia e que nenhum deles apontou a presença de adenovírus que podem se duplicar.

“A vacina é limpa… e não contém adenovírus capazes de duplicação”, disse Logunov aos repórteres.

Ele ainda disse que a vacina passou por um processo de limpeza e filtragem de quatro estágios, o que afirmou ser raro entre fabricantes de vacina.

“Isto torna nossa produção muito mais cara, porque perdemos uma parte de nosso produto. Mas alcançamos um nível incrível de pureza.”

Como a vacina da AstraZeneca, a Sputnik V é uma vacina de vetor viral. Ela utiliza adenovírus para transportar as informação genéticas necessárias para gerar imunidade contra a Covid-19 no organismo, mas é concebida para privar estes vetores da capacidade de se duplicar.

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), que comercializa a Sputnik V no exterior, disse na segunda-feira que a Anvisa recebeu acesso total às instalações de pesquisa e produção do imunizante.

O RDIF disse ainda que a rejeição da Sputnik V pela Anvisa pode ter tido motivação política devido à pressão dos Estados Unidos, e que a vacina já foi aprovada para uso em 61 países.

O programa de vacinação do Brasil está sendo assolado por atrasos e problemas de aquisição, o que torna o país um dos focos mais mortíferos de Covid-19 neste ano e está levando o sistema nacional de saúde à beira do colapso.

Nesta terça, em audiência na Câmara dos Deputados, Mendes, da Anvisa, disse que os dados a que a agência teve acesso a levaram a concluir que o balanço risco-benefício da Sputnik V não compensam, mas afirmou que a porta não está fechada para a vacina russa, já que informações e documentos que a Anvisa afirma não ter recebido podem ser entregues e ainda existem outros procedimentos no órgão regulador tratando da Sputnik V.

(Por Polina Ivanova)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3Q16F-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.