Notícias

Deputados paranaenses se manifestam contra privatização dos Correios

A votação do projeto foi agendada para semana que vem, antes do recesso parlamentar

Laura
Laura Luzzi / Estagiária com informações do Jornal da Manhã Paraná, da Jovem Pan Curitiba
Deputados paranaenses se manifestam contra privatização dos Correios
(Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

7 de julho de 2021 - 10:59 - Atualizado em 7 de julho de 2021 - 11:03

O governo anunciou, nesta terça-feira (6), que irá vender 100% do capital dos Correios. De acordo com o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, será realizado um leilão tradicional, em que o comprador levará os ativos e passivos da companhia.

A votação do projeto foi agendada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para semana que vem, antes do recesso parlamentar. A aprovação da proposta é fundamental para que o governo consiga cumprir o cronograma de venda da empresa, cujo leilão está previsto para março de 2022.

Deputados paranaenses

O deputado federal Gustavo Fruet (PDT), se manifestou contrário à venda dos Correios neste momento. Para ele, o modelo de privatização apresentado não é o melhor. O parlamentar acredita que a capitalização seria uma alternativa viável e declarou que é a favor da competição.

“Primeiro, há outras formas de capitalização. Segundo, o governo está desesperadamente precisando de dinheiro e está colocando em valor só preço, sem se preocupar com serviço, qualidade, eficácia e acompanhamento. Terceiro, o Correio é superavitário. E quarto, o Correio cumpre um papel sem tirar mercado de quem quer que seja, principalmente em regiões distantes e carentes, onde não chegariam serviços com outro objetivo, se não tivesse a presença do Estado. É importante pensar em um mercado que tenha competição, que tenha alternativas e que o Correio tenha capitalização e boa gestão”

declarou Fruet à equipe do Jornal da Manhã Paraná, da Jovem Pan Curitiba

O deputado Zeca Dirceu (PT) também segue o posicionamento contra a venda da estatal. De acordo com ele, a companhia é uma empresa lucrativa e estratégica.

“Os Correios sempre deram lucro, dão lucro. Ao longo de 20 anos, se teve um ou dois anos que a empresa deu prejuízo foi muito e foi por motivos peculiares do momento, ajustes de contas, contábeis. Além de ser uma empresa lucrativa – e por isso ela não deve ser vendida –, é uma empresa estratégica, necessária para um país continental como o Brasil, que dificilmente uma empresa privada vai prestar serviços em regiões mais distantes, em regiões periféricas, ribeirinhas”

ponderou o deputado do PT.

A produção do Jornal da Manhã Paraná também procurouos deputados federais Filipe Barros (PSL), Aline Sleutjes (PSL), Aliel Machado (PSB), Vermelho (PSD), Pedro Lupion (DEM), Ricardo Barros (PP) e Diego Garcia (Cidadania), mas nenhum deles se manifestou sobre o projeto de privatização dos Correios.

Leilão dos Correios

Um estudo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) calculou que a empresa tem passivo de R$ 13 bilhões. O ativo circulante e não circulante somam R$ 14 bilhões, segundo o último balanço dos Correios. O lucro líquido da companhia no ano passado foi de R$ 1,5 bilhão

O governo ainda não tem valor previsto para a privatização, que dependerá do edital e de uma avaliação mais profunda das contas da estatal.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.