Notícias

Delegado que abriu caso Teori é morto a tiros em Florianópolis

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

31 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 31 de maio de 2017 - 00:00

Ministro Teori Zavascki morreu em um acidente aéreo em Paraty (RJ) (Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo)

O delegado, abriu o inquérito sobre a morte de Teori Zavascki, mas não estava mais à frente das investigações

Dois delegados da Polícia Federal (PF) foram assassinados na madrugada desta quarta-feira (31), dentro de uma casa noturna no Bairro Estreito, em Florianópolis. Os dois tinham funções importantes dentro da corporação e um deles, Adriano Antônio Soare, foi o delegado que abriu o inquérito que apura a morte do ministro Teori Zavascki, ocorrida em uma cidente aéreo em janeiro deste ano.

A PF informou, em nota oficial, que o inquérito já não estava nas mãos de Soares. A apuração está sendo conduzida por outro delegado em Brasília.

“Neste momento de imensa tristeza, a Polícia Federal expressa suas condolências e solidariedade aos familiares e amigos enlutados”, lamentou a PF em nota.

Segundo a PF, os dois delegados estavam na capital catarinense para realização de um curso da corporação.

Elias Escobar e Adriano Antônio Soares atuavam no Rio de Janeiro e estavam na cidade, segundo a assessoria de imprensa da PF, para um curso da instituição. 

Confira o perfil dos delegados:

Adriano Antônio Soares, 47 anos
Atuava como chefe da Polícia Federal de Angra dos Reis desde 2009. Em janeiro deste ano, com o acidente aéreo que matou o ministro Teori Zavascki e mais quatro pessoas em Paraty (RJ), ele assumiu a investigação do caso. Na época, o delegado decretou sigilo sob a investigação. Soares era delegado da PF desde 1999.

Elias Escobar, 60 anos
Elias Escobar era chefe da Polícia Federal em Niterói até março deste ano. Antes disso, ele atuou em Volta Redonda, onde comandou diferentes operações. Em 2014, oito policiais civis acusados de envolvimento com tráfico de drogas e extorsão no sul fluminense, em Minas Gerais e em São Paulo foram alvo de investigação comandada por Escobar. No ano de 2013, quando assumiu a chefia em Volta Redonda, o delegado prometeu que iria combater as milícias na região.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.