Segurança

Defesa Civil atende estragos causados por vendaval em Maringá

A maior parte dos chamados é por queda de árvores; equipes da própria Defesa Civil e do serviço de arborização da prefeitura trabalham para minimizar os estragos

Renan
Renan Vallim / Repórter
Defesa Civil atende estragos causados por vendaval em Maringá
Árvore caiu na Avenida Humaitá, em Maringá (Foto: Defesa Civil de Maringá)

14 de outubro de 2021 - 09:47 - Atualizado em 14 de outubro de 2021 - 09:47

Maringá foi atingida por fortes ventos na madrugada desta quinta-feira (14). A Defesa Civil da cidade recebeu cerca de 50 chamados para atender a estragos causados pelo vendaval. A contabilização dos estragos ainda não foi finalizada e deve ser divulgada ainda nesta quinta.

A maior parte dos chamados é por queda de árvores. Equipes da própria Defesa Civil e do serviço de arborização da prefeitura trabalham para minimizar os estragos. Assim que os dados de estragos forem divulgados, esta matéria será atualizada.

O temporal desta quinta provocou menores impactos se comparado ao da semana passada. Com registro inclusive de granizo, o temporal mais forte atingiu Maringá e região na madrugada da quinta-feira passada, 7 de outubro. Várias casas foram destelhadas e alagadas. Quedas de árvores foram registradas em toda a região e diversos domicílios estão sem energia elétrica.

As regiões mais afetadas foram a Zona Norte da cidade, na área dos bairros Quebec, Parque das Palmeiras, Madri e Parque das Bandeiras, além do distrito de Iguatemi. A Companhia Paranaense de energia Elétrica (Copel) estimou à época que cerca de 10 mil domicílios ficaram sem luz. Ao todo, foram 569 chamados e 303 árvores caídas.

Em Mandaguaçu, o ginásio de esportes Pedro Bioni, conhecido como Abelhão, desmoronou. O teto da praça esportiva, que fica na BR-376, caiu com os fortes ventos e chuva de granizo. Um ônibus e um caminhão foram afetados pela estrutura.