Notícias

Dados foram omitidos de equipe da OMS que investiga origem da Covid-19 na China, diz Tedros

Reuters
Reuters
Dados foram omitidos de equipe da OMS que investiga origem da Covid-19 na China, diz Tedros
Tedros Adhanom Ghebreyesus fala em Genebra

30 de março de 2021 - 18:07 - Atualizado em 30 de março de 2021 - 18:36

Por Stephanie Nebehay e John Miller

GENEBRA/ZURIQUE (Reuters) – Dados foram omitidos de investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) que viajaram à China para pesquisar a origem da epidemia de coronavírus, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta terça-feira.

Os Estados Unidos, a União Europeia e outros países ocidentais imediatamente pediram à China que conceda “acesso total” a dados sobre o surto original do final de 2019 a especialistas independentes.

Em seu relatório final, escrito conjuntamente com cientistas chineses, uma equipe liderada pela OMS que passou quatro semanas dentro e nos arredores de Wuhan em janeiro e fevereiro disse que o vírus provavelmente foi transmitido de morcegos a humanos através de outro animal e que um vazamento de laboratório é “extremamente improvável” como causa.

Um dos investigadores já disse que China se recusou a dar dados brutos de casos iniciais de Covid-19 à equipe liderada pela OMS, possivelmente complicando os esforços para entender como a pandemia global começou.

“Em minhas conversas com a equipe, eles expressaram as dificuldades que encontraram para acessar dados brutos”, disse Tedros. “Acredito que estudos colaborativos futuros incluirão um compartilhamento de dados mais adequado e abrangente.”

A incapacidade da missão da OMS de concluir onde ou como o vírus começou a se disseminar em pessoas manterá as tensões causadas pela dúvida sobre como a pandemia teve início e se a China ajuda os esforços para descobri-lo ou, como os EUA alegam, os atrapalham.

“O estudo especializado internacional sobre a fonte do vírus SARS-CoV-2 foi atrasado consideravelmente e careceu de acesso a dados e amostras completos e originais”, disseram Austrália, Canadá, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Israel, Japão, Letônia, Lituânia, Noruega, Coreia, Eslovênia, Reino Unido, EUA e UE em um comunicado conjunto.

“Não acredito que esta avaliação foi abrangente o suficiente”, disse Tedros. “Dados e estudos adicionais serão necessários para se chegar a conclusões mais robustas.”

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2T1K4-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.