Notícias

Curso de Libras servirá como critério de desempate em concursos públicos de Londrina

A medida não valerá como fator de desempate para contratação de professores com provas de títulos, mas será pontuada

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Curso de Libras servirá como critério de desempate em concursos públicos de Londrina
(Foto: Ilustrativa/Pexels)

8 de março de 2022 - 16:41 - Atualizado em 8 de março de 2022 - 16:41

Começou a valer, a partir de segunda-feira (7), a Lei Municipal nº 13.333, que estabelece o curso de Língua Brasileira de Sinais (Libras) como critério de desempate em concursos públicos e processos seletivos de Londrina, no norte do Paraná. Os cargos contemplados são aqueles que prestam atendimento ao público.

A lei, de autoria da vereadora e professora Flávia Cabral, também prevê a criação de uma central de intermediação oficial da prefeitura. O objetivo é auxiliar o poder Executivo a garantir a acessibilidade nos atendimentos, sejam presenciais, sejam remotos.

O curso de Libras não contará como fator de desempate para casos de contratação de professores com prova de título. A capacitação, no entanto, será pontuada conforme os valores dos cursos de especialização ou mestrado.

“A partir do momento que o curso de LIBRAS tiver peso diferenciado nos concursos, podendo definir os resultados, isso começa a gerar um impacto intenso em Londrina a médio e longo prazo, favorecendo milhares de pessoas. Funcionários capacitados poderão atender e encaminhar demandas diversas, seja um motorista de ambulância na área da saúde, um professor tradutor, ou intérpretes em geral, tendo a capacidade para prestar o devido suporte ao público que necessita, inclusive servidores. Este processo não irá gerar custos ao Município, ampliará o leque de atendimentos, além permitir a entrada de servidores mais preparados e gerar maior inclusão social.”

destaca a vereadora Flávia Cabral.

A intérprete e servidora da Educação há aproximadamente dez anos, Juliana Moralles, relembra o impacto da pandemia sobre as pessoas com deficiência auditiva, em especial, durante as transmissões feitas pela internet.

“A comunicação via LIBRAS é libertadora, e sabemos que na pandemia as limitações foram muitas com os períodos de fechamento e reclusão, criando ainda mais dificuldades a quem é surdo ou deficiente auditivo. A nova lei vem para quebrar barreiras e terá efeito substancial nos serviços municipais daqui a algum tempo. Estamos presenciando o começo de algo grandioso para Londrina e fico emocionada em poder estar participando.”

complementa a servidora.

Comemoração

Quem comemorou a sanção da lei municipal foi o servidor Carlos Eduardo Franzini da Silva, que trabalha na prefeitura há 25 anos. Carlos Eduardo é surdo e trabalha com manutenção de sistema e hardware na Vigilância Sanitária.

“Foram muitos anos para que eu pudesse me adaptar, bem como meus colegas de serviço, então foi necessário eu entender minha condição, ter paciência e me conformar. A lei é importante para que servidores e tradutores ajudem a população, que poderá ter acesso mais fácil aos serviços. A empatia do poder municipal com esta lei, e o cuidado com a comunidade surda, é importantíssima.”

destaca o servidor.
Registrou um flagrante? Mande para o WhatsApp do RIC Mais. Clique aqui e faça o portal com a gente!