Brasil

Curitiba é a primeira cidade do Brasil a oferecer videoconsulta para o novo coronavírus

Lucas
Lucas Sarzi Com informações da Prefeitura de Curitiba
Curitiba é a primeira cidade do Brasil a oferecer videoconsulta para o novo coronavírus
Chamadas vão ser feitas todos os dias. Foto: Ricardo Marajó/FAS.

27 de março de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:49

Curitiba é a primeira cidade do Brasil a usar a videoconsulta para atendimento médico de pacientes suspeitos do novo coronavírus. O serviço a distância começa a ser oferecido pela Secretaria Municipal de Saúde nesta sexta-feira (27) e tem como principal objetivo reduzir o fluxo de pacientes presenciais nas unidades da rede municipal, contribuindo para o controle da pandemia.

A tecnologia foi doada ao município pela empresa de agendamento de consultas on-line Doctoralia, com sede brasileira em Curitiba. “Com a nova tecnologia, as pessoas suspeitas da doença não vão precisar sair de casa para se consultar com um médico do SUS curitibano, o que poderá minimizar os efeitos do novo coronavírus na capital”, afirmou o prefeito Rafael Greca, que visitou a central de teleconsulta por videoconferência na sede da secretaria municipal.

LEIA TAMBÉM: Paraná tem 106 casos confirmados de coronavírus em 17 cidades, segundo a Sesa

O atendimento médico por videoconferência vai ser feito por agendamento, todos os dias, das 8h às 23h. A previsão é de que cerca de 700 pessoas sejam atendidas diariamente. A capital paranaense já tem um serviço de atendimento por telefone, que atende pelo menos 900 chamadas por dia e que continua ativo.

Inicialmente, a pessoa irá passar por uma triagem na Central de Atendimento da Secretaria de Saúde, justamente pelo telefone do atendimento (41) 3350-9000. Se for constatada a necessidade do atendimento por vídeo (de casos moderados e graves), o paciente vai receber no celular, por SMS, um link que vai dar acesso à consulta on-line, que deve ser no mesmo dia.

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, explicou que 24 médicos vão ficar responsáveis por fazer as videoconsultas, em terminais com câmeras e o prontuário do paciente. “As pessoas que apresentarem sintomas serão encaminhadas para o atendimento de videoconferência”, salientou. Já os casos leves vão continuar a receber orientações dos atendentes da Central Telefônica.

NÃO SE CONFUNDA! Veja diferenças entre as alergias e os sintomas do coronavírus

Segundo Carlos Eduardo Lopes, CEO da Doctoralia, a empresa está empenhada em ajudar o setor público a reduzir os impactos da pandemia. Ele disse também que a tecnologia também vai estar disponível, gratuitamente, para outros municípios enquanto durar o problema com o novo vírus.