Notícias

Polícia arromba carro em Curitiba após encontrar criança trancada; mãe estava no bar

Clientes do estabelecimento revelaram que a mulher estava no local há mais de uma hora e meia

Guilherme
Guilherme Becker / Editor reportagem RIC Record TV, Curitiba
Polícia arromba carro em Curitiba após encontrar criança trancada; mãe estava no bar
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

13 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:47

Policiais arrombaram um carro que estava estacionado no bairro Capão Raso, em Curitiba, após uma denúncia e verificarem que dentro havia uma criança de menos de um ano sozinha. Segundo a investigação, o caso aconteceu no último sábado (11), enquanto a mãe da criança estava em um bar, localizado a aproximadamente 50 metros do veículo.

Após acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para atendimento da criança, que estava quente e assustada, os policiais foram até o bar e para surpresa deles, ouviram da mulher que ela não era a mãe da criança, nem a dona do carro. Porém, logo foi desmentida e encaminhada a delegacia.

Mãe deixa filho trancado no carro enquanto vai ao bar

Uma mulher deixou o filho, de apenas 10 meses, trancado dentro do carro na rua Vereador Adeodato Volpi, no Capão Raso, enquanto se divertia em um bar. A criança ficou presa na cadeirinha, com os vidros fechados do veículo. Após receber uma denúncia, a Polícia Militar foi até o local e arrombou o carro para resgatar o menino.

Próximo do local onde estava parado o veículo, os policiais encontraram a mãe do menino, que a princípio alegou não conhecer a criança e nem o carro. Após ser desmentida, a mulher foi levada ao Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) e poderá responder pelo crime de abandono de incapaz.

Pai da criança revela que estava separado e não via criança desde dezembro

Após a ocorrência, a criança foi liberada para ficar com o pai. Segundo o homem, ele estava separado da mulher desde dezembro quando foi preso após ser acusado de agressão contra a companheira. Por medo de ser enquadrado novamente, por não respeitar a distância, o pai nunca mais teve contato com o filho.

“Ela bebia muito, usava drogas, a gente discutia muito por causa disso e tinha uma relação muito conturbada. Muita briga, muita discussão, até o dia que ela me acusou de agressão e eu acabei sendo detido na Lei Maria da Penha. Fiquei detido três dias na delegacia, até então, desde o dia que eu fui liberado pela Justiça eu não tive mais contato com ela e nem com meu filho. Só tive contato com meu filho agora a partir de sábado que eu fui buscar ele lá na delegacia”, contou o pai.

Após ficar com o filho novamente, o homem contou como está sendo a adaptação. “Ele estava um pouco assustado. Tanto que a primeira noite que ele dormiu aqui comigo ele acordou de madrugada super assustado e agora ele está bem”, agora, o pai aguarda receber a guarda definitiva. “Eu não quero nada dela, só quero que ela viva em paz, se recupere, e eu siga a vida com meu filho né”, concluiu.

Confira mais detalhes do caso: